AGRIBUSINESS: Vinhos do Vale do São Francisco ganham selo de procedência. Brasil vira primeiro país do mundo a receber uma Indicação Geográfica por vinhos tropicais

Foto divulgação Internet/Google
Da Redação

Os vinhos produzidos na região do Vale do São Francisco receberão, a partir de 2023, selos de Indicação de Procedência (IP). A conquista, reconhecida através da publicação na Revista de Propriedade Industrial (RPI) nº 2704, coroa o Brasil como o primeiro país do mundo a receber uma Indicação Geográfica pela produção dos chamados vinhos tropicais.

Com a concessão, oito vinícolas do Vale do São Francisco (VSF) poderão ser beneficiadas com o selo, válido para vinhos finos, nobres, espumantes naturais e moscatel espumante. A área de produção das bebidas compreende cinco municípios localizados em dois estados do Nordeste (Bahia e Pernambuco). Os destaques baianos são Casa Nova e Curaçá.

“Com esse selo, a Europa, modelo na produção de vinhos no mundo, reconhece a região do Vale do São Francisco como referência no Brasil no tocante à produção de vinhos. Até então o VSF era apenas conhecido pelo manejo e produção de uvas de mesas e frutas tropicais”, afirma o secretário Leonardo Bandeira, titular da Secretaria da Agricultura, Pecuária, Irrigação, Pesca e Aquicultura da Bahia (Seagri).

O registro de Indicação Geográfica (IG) é atribuído a produtos ou serviços que são característicos do seu local de origem e que apresentam uma qualidade única em função de recursos naturais como solo, vegetação, clima e o “saber fazer” (know-how ou savoir-faire). A conquista da IG confere reputação e distingue o item em questão de seus similares disponíveis no mercado. O Instituto Nacional de Propriedade Industrial - INPI é a instituição que concede o registro legal de IG no país.

“O selo, além de agregar valor aos vinhos produzidos no Vale do São Francisco, também mostra a eficiência do trabalho realizado no campo e a capacidade do estado da Bahia em entregar produtos de qualidade para os mercados interno e externo”, completa Bandeira.

A IP, concedida por demanda do Instituto do Vinho do Vale do São Francisco (Vinhovasf), foi uma conquista ancorada em parcerias. O trabalho para caracterização da região, necessária para o registro, foi coordenado pela Embrapa Uva e Vinho (RS), em conjunto com a Embrapa Semiárido (PE), o que resultou em uma equipe com mais de 40 pessoas de várias instituições buscando fortalecer a vitivinicultura do Semiárido nordestino.

Giuliano Pereira, pesquisador da Embrapa Uva e Vinho, conta que o projeto fluiu bem por conta da eficiência e capacitação da equipe, e que houve facilidade porque a Embrapa conseguiu unir as vinícolas, as pessoas e as instituições engajadas no trabalho.

“Nós levamos a nossa equipe do Rio Grande do Sul, que já tinha feito indicações geográficas na Serra Gaúcha, para a região do VSF. Com a experiência e o background dos últimos 20 anos, o pessoal já tinha o know-how. Unimos as equipes das várias frentes, de caracterização de clima, solo, viticultura e enologia. Também foi muito fácil mobilizar as vinícolas, era importante fazer com que eles não pensassem que são competidores entre si, e sim pensassem em conjunto, em nome do vinho do Vale do São Francisco”.

Pereira foi o líder do time multidisciplinar que teve como missão entender a vitivinicultura do Semiárido nordestino, principalmente a estabelecida no Vale do Submédio São Francisco. Os trabalhos do projeto, que ocorreram entre 2013 e 2018, geraram as referências utilizadas para elaborar o material técnico que embasou o pedido de registro da Indicação de Procedência entregue ao INPI.

Enoturismo em alta

“Com a IP, a expectativa é aumentar a notoriedade dos produtos e conseguir melhorar ainda mais a qualidade das uvas e a tipicidade dos vinhos do VSF. Espera-se também que haja novos investimentos por parte dos produtores que se encontram naquela zona e por empresários de outras regiões. Além da promoção do enoturismo, do artesanato e da cultura local”, pondera Pereira.

José Figueiredo é dono da Vinícola Vinum Sancti Benedictus (VSB), uma das que deve receber o selo de procedência de vinhos tropicais a partir de 2023. Para ele, o reconhecimento que o empreendimento vai ganhar com a IP vai impulsionar o número de clientes.

“A indicação significa um reconhecimento maior da qualidade dos vinhos do Vale do São Francisco. E nós da VSB, uma vez dentro do território da IP, aumentaremos nossa exposição e desejo de consumo pelos nossos clientes e futuros apreciadores. Nossa pequena produção artesanal certamente será ainda mais buscada”, diz.

Figueiredo também comenta sobre o diferencial do vinho tropical. “As particularidades dos vinhos tropicais são as possibilidades de colheita em qualquer dia e mês do ano. Nossos maiores desafios são as quebras diárias de paradigmas de se fazer acreditar na produção de vinhos tão próximos à linha do Equador e com tamanha qualidade, esta já reconhecida pelas centenas de premiações nos mais aclamados concursos no Brasil e no mundo”.

Marcos Gordilho, proprietário do Empório Casa Dez, uma importadora e distribuidora de vinhos, explica que os consumidores preferem, no âmbito dos produtos nacionais, o vinho branco e até apresentam desconfianças com o vinho tinto feito por aqui.

“Na cabeça do consumidor, o vinho tinto feito na Bahia, aqui nessa região mais tropical, não era de boa qualidade, mas esse selo vai ser muito importante para mostrar que na verdade são vinhos de alto valor. Com essa divulgação e com essa denominação da região, com certeza, o vinho tinto baiano vai ganhar uma outra conotação e haverá crescimento muito grande nas vendas”, afirma.

“O nordestino de uma forma geral é muito bairrista, ele valoriza muito o que é da terra, tanto que a gente prioriza muito os produtos feitos na Bahia em nossas lojas, valorizando o que nós temos de melhor. Então com relação a essa preferência já tem tido um crescimento muito grande e a indicação, sem dúvidas, vai ajudar bastante as pessoas a entenderem que são vinhos de qualidade”, completa Gordilho.

Leonardo Bandeira, secretário da Seagri, ressalta ainda a importância dos vitivinicultores da Bahia estarem se atualizando de forma constante para melhorar a qualidade das uvas, dos vinhos produzidos na região do VSF, e para aperfeiçoar a experiência dos clientes.

“É preciso se adaptar, o mercado muda ao longo dos anos e com os produtores de uva do VSF não é diferente. Existem empresas que atuam desde a produção da uva para vinho até a fase final, que é o envasamento dos seus produtos. Vale destacar também que a abertura do mercado para vinhos da nossa região permitiu ainda mais uma alternativa turística da região, a chamada “rota do vinho”, onde o cliente tem a oportunidade de conhecer, com auxílio de técnicos especialistas da área, desde o pomar das uvas até a degustação dos mais variados sabores de vinho e espumantes produzidos”, ressalta.

FONTE: atarde.uol.com.br


Para ler a matéria na íntegra acesse nosso link na pagina principal do Instagram. www: professsortaciano medrado.com  e  Ajude a aumentar a nossa comunidade.

AVISO: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião do Blog do professor Taciano Medrado. Qualquer reclamação ou reparação é de inteira responsabilidade do comentador. É vetada a postagem de conteúdos que violem a lei e/ ou direitos de terceiros. Comentários postados que não respeitem os critérios podem ser removidos sem prévia notificação.

Os vin

Compartilhe:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LEITORES ONLINE

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Postagens mais visitadas

Marcadores

Seguidores

Arquivo do blog

TM TV

PARCEIROS