NOTÍCIAS INTERNACIONAIS : Xi Jinping reforça posição pró-Rússia e diz que Ocidente usa a economia como arma

Os presidentes da China, Xi Jinping, e da Rússia, Vladimir Putin, em julho de 2018 (Foto: Wikimedia Commons)

O presidente da China, Xi Jinping, voltou a atacar o Ocidente pelas sanções impostas a Moscou em razão da guerra na Ucrânia, classificando as punições como “bumerangues” e “facas de dois gumes” e dizendo que o Ocidente transformou a economia em uma arma. O discurso, em vídeo, foi exibido na abertura do Fórum Empresarial do BRICS, bloco que inclui ainda BrasilÁfrica do SulÍndia e Rússia. As informações são do jornal South China Morning Post.

“Aqueles que usam sua posição de liderança no sistema financeiro e monetário internacional para impor sanções de forma imprudente só acabarão prejudicando os outros e a si mesmos e farão as pessoas em todo o mundo sofrerem”, disse o líder do Partido Comunista Chinês (PCC), numa clara referência aos EUA, embora sem citar seu principal rival. “Foi provado novamente que as sanções são bumerangues e facas de dois gumes que politizam, instrumentalizam e fazem da economia mundial uma arma”.

Ao falar sobre o conflito na Europa, o líder chinês citou a expansão da Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte) rumo ao leste, uma das justificativas de Moscou para a invasão da Ucrânia, e novamente deixou implícita sua posição pró-Rússia, que Beijing se recusa a assumir de forma oficial.

“A crise na Ucrânia voltou a soar um alarme para o mundo: ficar obcecado com a posição de força de alguém, expandir alianças militares e buscar segurança para si mesmo às custas da segurança de outros países só levará a um dilema de segurança”, afirmou Xi.

O presidente russo, Vladimir Putin, também falou no evento, a segunda manifestação pública a ouvintes estrangeiros desde o início do conflito, em 24 de fevereiro. E também contestou as sanções, dizendo que elas criaram um ambiente mais desafiador para empreendedores da Rússia e da China.

De acordo com o líder russo, os “parceiros ocidentais negligenciaram os princípios básicos de uma economia de mercado, livre comércio e inviolabilidade da propriedade privada”. E, com as sanções, eles contribuíram para aumentar o desemprego, a escassez de matérias primas, componentes e alimentos.

O argumento de Putin vai na contramão do que alega a FAO (Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura), que atribui a Moscou o aumento da ameaça da fome global ao impedir que cerca de 25 milhões de toneladas de grãos deixem a Ucrânia.

Somadas, Rússia e Ucrânia responderam por cerca de 30% das exportações mundiais de trigo e 15% das exportações globais de milho, considerando o período entre 2017 a 2021, de acordo com o Conselho Internacional de Grãos.

Por que isso importa?

A escalada de tensão entre Rússia e Ucrânia, que culminou com a efetiva invasão russa ao país vizinho, no dia 24 de fevereiro, remete à anexação da Crimeia pelos russos, em 2014, e à guerra em Donbass, que começou naquele mesmo ano. Aquele conflito foi usado por Vladimir Putin como argumento para justificar a invasão integral, classificada por ele como uma “operação militar especial”.

“Tomei a decisão de uma operação militar especial”, disse Putin pouco depois das 6h de Moscou (0h de Brasília) de 24 de fevereiro. Cerca de 30 minutos depois, as primeira explosões foram ouvidas em Kiev, capital ucraniana, e logo em seguida em Mariupol, no leste do país.

No início da ofensiva, o objetivo das forças russas era dominar Kiev, alvo de constantes bombardeios. Entretanto, diante da inesperada resistência ucraniana, a Rússia foi forçada a mudar sua estratégia. As tropas, então, começaram a se afastar de Kiev e a se concentrar mais no leste ucraniano, a fim de tentar assumir definitivamente o controle de Donbass e de outros locais estratégicos naquela região.

Em meio ao conflito, o governo da Ucrânia e as nações ocidentais passaram a acusar Moscou de atacar inclusive alvos civis, como hospitais e escolas, dando início a investigações de crimes de guerra ou contra a humanidade cometidos pelos soldados do Kremlin.

O episódio que mais pesou para as acusações foi o massacre de Bucha, cidade ucraniana em cujas ruas foram encontrados dezenas de corpos após a retirada do exército russo. As imagens dos mortos foram divulgadas pela primeira vez no dia 2 de abril, por agências de notícias, e chocaram o mundo.

O jornal The New York Times realizou uma investigação com base em imagens de satélite e associou as mortes em Bucha a tropas russas. As fotos mostram objetos de tamanho compatível com um corpo humano na rua Yablonska, entre 9 e 11 de março. Eles estão exatamente nas mesmas posições em que foram descobertos os corpos quando da chegada das tropas ucranianas, conforme vídeo feito por um residente da cidade em 1º de abril.

Fora do campo de batalha, a Rússia tem sido alvo de todo tipo de sanções. As esperadas punições financeiras impostas pelas principais potencias globais já começaram a sufocar a economia russa, e o país tem se tornado um pária global. Desde a invasão da Ucrânia, em 24 de fevereiro, quase mil empresas ocidentais deixaram de operar na Rússia, seja de maneira temporária ou definitiva, parcial ou integral.

Os mortos de Putin

Desde que assumiu o poder na Rússia, em 1999, o presidente Vladimir Putin esteve envolvido, direta ou indiretamente, ou é forte suspeito de ter relação com inúmeros eventos, que levaram a dezenas de milhares de mortes. A lista de vítimas do líder russo tem soldados, civis, dissidentes e até crianças. E vai aumentar bastante com a guerra que ele provocou na Ucrânia.

Na conta dos mortos de Putin entram a guerra devastadora na região do Cáucaso, ações fatais de suas forças especiais que resultaram em baixas civis até dentro do território russo, a queda suspeita de um avião comercial e, em 2022, a invasão à Ucrânia que colocou o mundo em alerta.

Fonte:  A Referência

Para ler mais acesse, www: professortacianomedrado.com  / Siga o blog do professorTM/EJ  no Facebook, e no Instagram. Ajude a aumentar a nossa comunidade.

AVISO: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião do Blog do professor Taciano Medrado. Qualquer reclamação ou reparação é de inteira responsabilidade do comentador. É vetada a postagem de conteúdos que violem a lei e/ ou direitos de terceiros. Comentários postados que não respeitem os critérios podem ser removidos sem prévia notificação.

Compartilhe:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LEITORES ONLINE

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Postagens mais visitadas

Marcadores

Seguidores

Arquivo do blog

TM TV

PARCEIROS