120 MOTIVOS PARA NÃO VOTAR NO PT - "Greve afeta 48 universidades federais, dizem sindicatos".


Da Redação
Por: Taciano Medrado

Dando sequencia a série: "120 MOTIVOS PARA NÃO VOTAR NO PT", nessa quinta-feira(16), relembraremos mais um desastre dos governo petistas, desta vez reeditaremos matéria publicada no dia 29 de maio de 2015 pelo G1, com o título: "Greve afeta 48 universidades federais, dizem sindicatos". Revejam: 

"Quarenta e oito das 63 universidades federais do país têm a rotina afetada por greves que começaram a ser deflagradas na quinta-feira (28), de acordo com dados dos sindicatos.

Balanço divulgado nesta sexta-feira (29) aponta que o movimento atinge instituições de 26 estados, segundo o Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior (Andes-SN) e a Federação dos Sindicatos de Trabalhadores Técnico-Administrativos em Instituições de Ensino Superior Públicas do Brasil (Fasubra).

Do total de 48 universidades afetadas, em 15 há greve conjunta de professores e técnico-administrativos. Em outras três instituições, apenas os professores suspenderam as aulas.

Em 30 universidades apenas funcionários (responsáveis por laboratórios, bibliotecas e áreas administrativas) pararam as atividades.

Há ainda outras quatro instituições nas quais os técnicos decidiram, em assembleia, começar a greve na próxima semana. (Veja abaixo a situação das federais por estado)

Os servidores pedem reajuste salarial, reestruturação da carreira e aumento de investimentos nas federais. Ao longo dos próximos dias, professores e servidores das demais universidades federais devem fazer assembleias para decidir se participam ou não do movimento nacional.

Data marcada
A data do início da greve havia sido anunciada pelo Andes-SN, após decisão em 16 de maio. Os professores tentam pressionar o governo federal a ampliar o repasse às universidades federais, apesar do corte de R$ 9,42 bilhões no orçamento do MEC.

O ministro da Educação, Renato Janine Ribeiro, disse nessa quinta-feira (28) que "as greves  só fazem sentido quando estiverem esgotados os canais de negociação" e rebateu a decisão de professores e técnicos de universidades de entrarem em greve.

SITUAÇÃO NOS ESTADOS

Acre
Os técnicos e professores da Universidade Federal do Acre (UFAC) decidiram em assembleia parar suas atividades.

Alagoas
Na Universidade Federal de Alagoas (Ufal), tanto técnicos como professores aprovaram em assembleia a adesão ao movimento nacional de greve.

Amazonas
Na Universidade Federal do Amazonas, os funcionários técnicos decidiram aderir à paralisação por tempo indeterminado.

Amapá
Na Universidade Federal do Amapá (Unifap), os professores decidiram suspender as aulas pedindo reajuste salarial e reestruturação da carreira docente.

Bahia
Professores e servidores técnicos da Universidade Federal da Bahia (UFBA) pararam suas atividades.

A UFBA sofre ainda com a paralisação, desde o dia 13 de maio, de parte dos trabalhadores terceirizados dos setores de limpeza e administrativo. Eles pedem o pagamento dos salários de fevereiro, março e abril que ainda não foi feito pela empresa Líder Recursos Humanos, contratada pela universidade.

Na Universidade Federal do Oeste da Bahia (UFOB), os docentes decidiram em assembleia suspender as aulas por tempo indeterminado.

Ceará  
Em assembleia, os técnicos Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira (Unilab) decidiram cruzar os braços e aderir à greve nacional.

Distrito Federal
Os servidores da Universidade de Brasília (UnB) estão com as atividades suspensas após a assembleia da categoria ter aprovado greve.

Espírito Santo
Os servidores da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes) aderiram à paralisação nacional. Já os professores da Ufes marcaram assembleia para a próxima terça-feira (2) para decidir se entram ou não em greve.

Goiás
Servidores técnico-administrativos da Universidade Federal de Goiás (UFG) entraram em greve nessa quinta. Os professores não aderiram ao movimento no estado.

Maranhão
Os servidores da Universidade Federal do Maranhão (UFMA) aprovaram, em assembleia, a greve por tempo indeterminado. Os funcionários paralisam suas atividades no dia 3 de junho.

Mato Grosso
Professores e servidores da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) entraram em greve por tempo indeterminado. A decisão foi tomada em assembleia. A UFMT tem cerca de 20 mil alunos e 1.800 professores.

Mato Grosso do Sul
Os funcionários técnicos da da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS) decidiram aderir à greve nacional. Já os professores farão uma assembleia no dia 10 de junho para decidir pela aprovação ou não da greve.

Na Universidade Federal  da Grande Doutados (UFGD), professores e servidores aprovaram a greve por tempo indeterminado.

Minas Gerais
No estado de Minas Gerais, os funcionários da Universidade Federal de Viçosa (UFV) entraram em greve nessa quinta-feira por tempo indeterminado.

Também aderiram os técnicos administrativos da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), da Universidade Federal de Lavras (Ufla-MG), da Universidade Federal de Minas Gerais, da Universidade Federal do Triângulo Mineiro e da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM).

Na Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP), os funcionários acertaram em assembleia  iniciar a greve na próxima segunda-feira (1°).

Pará
Professores e servidores de três universidades federais do Pará decidiram aderir à greve nacional.

Estão suspensas as aulas e as atividades dos funcionários na Universidade Federal do Pará (UFPA), Universidade Federal do Oeste do Pará (Ufopa) e na Universidade Federal Rural da Amazônia (UFRA).

Na Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará (Unifesspa), os servidores decidiram em assembleia aderir à greve por tempo indeterminado.

Paraíba
Os professores e os servidores da Universidade Federal da Paraíba (UFPB) decidiram entrar em greve por tempo indeterminado.

Na Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), técnicos começaram nesta quinta a greve decidida em assembleia. Os professores do campus de Patos também resolveram aderir à greve.

Paraná
No estado, estão em greve os funcionários da Universidade Federal do Paraná (UFPR), da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) e da Universidade Federal da Integração Latino-Americana (Unila).

Pernambuco
Os servidores da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) e da Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE) começaram a greve, por tempo indeterminado, nesta quinta-feira. Com o movimento, os técnicos pretendem paralisar setores como administrativo, secretarias e bibliotecas.

Já os professores da UFPE e da UFRPE decidiram manter as aulas durante assembleia realizada na última segunda.

Piauí
Os servidores técnicos da Universidade Federal do Piauí (UFPI) decidiram suspender as atividades durante tempo indeterminado. Os funcionários pedem reajuste salarial.

Rio de Janeiro
Professores e técnicos-administrativos da Universidade Federal Fluminense (UFF) estão em greve desde quinta-feira (28).

Na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), na Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ) e na Unirio, apenas os funcionários decidiram entrar em greve.

Rio Grande do Norte
Os docentes e os funcionários da Universidade Federal Rural do Semi-Árido (Ufersa) estão em greve por tempo indeterminado.

Na Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), os servidores entraram em greve. Os professores, no entanto, continuam a dar aulas.

Rondônia
Professores e servidores da Universidade Federal de Rondônia (Unir) decidiram entrar em greve por tempo indeterminado.

Rio Grande do Sul
Os servidores técnicos de cinco das seis universidade federais do estado resolveram parar suas atividades por tempo indeterminado.

Estão em greve, os funcionários da Universidade Federal do Rio Grande (Furg), da Universidade Federal de Ciências de Saúde de Porto Alegre (UFCSPA), da Universidade Federal de Pelotas (UFPel), da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM).

Santa Catarina
Os técnicos da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) aprovaram, em assembleia, iniciar a greve na próxima segunda-feira (1°).

São Paulo
Os servidores técnico-administrativos da Universidade Federal do ABC (UFABC) e da Universidade Federal de São Carlos (UFscar) estão em greve por tempo indeterminado.

Na Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), a decisão dos funcionários foi de paralisar as atividades a partir de segunda-feira (1°).

Sergipe
Professores e funcionários da Universidade Federal de Sergipe (UFS) decidiram paralisar suas atividades por tempo indeterminado.

Tocantins
Os professores e funcionários da Universidade Federal do Tocantins (UFT) aprovaram em assembleia a greve das categorias. Cerca de 20 mil estudantes estão sem aulas.

Fonte: https://g1.globo.com/educacao/noticia/2015/05/greve-afeta-48-universidades-federais-dizem-sindicatos.html

Para ler mais acesse, www: professortacianomedrado.com  / Siga o blog do professorTM/EJ  no Facebook, e no Instagram. Ajude a aumentar a nossa comunidade.

AVISO: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião do Blog do professor Taciano Medrado. Qualquer reclamação ou reparação é de inteira responsabilidade do comentador. É vetada a postagem de conteúdos que violem a lei e/ ou direitos de terceiros. Comentários postados que não respeitem os critérios podem ser removidos sem prévia notificação.

Compartilhe:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LEITORES ONLINE

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Postagens mais visitadas

Marcadores

Seguidores

Arquivo do blog

TM TV

PARCEIROS