Democracia Sem Fronteiras protesta contra a guerra e defende punição a Putin

Protesto do Democracia Sem Fronteiras, em Brasília, contra a guerra na Ucrânia (Foto: divulgação)

Brasília foi palco de mais uma manifestação do movimento brasileiro Democracia Sem Fronteiras (DSF). Na quinta-feira (24), o grupo projetou em alguns prédios da capital federal, entre eles o da Biblioteca Nacional, mensagens de protesto contra a guerra na Ucrânia e contra o presidente russo Vladimir Putin. As informações são do site de notícias internacional A Referência.

O DSF usou projeções a laser para exibir frases em inglês e português, como “Ucrânia Livre”, “Stop the War” (Parem a guerra), “Stop Putin” (Parem Putin) e Putin Ditador.

Nós, do Movimento Democracia Sem Fronteiras (DSF), somos contra todo conflito armado que tenha como objetivo ganhos políticos e territoriais contra nações democráticas”, diz o movimento em artigo de opinião sobre o conflito, ao qual A Referência teve acesso em primeira mão. “O que vemos hoje no leste da Europa é a tentativa de expansão de um governo autoritário, que visa a aumentar seu território e, consequentemente, seu poder de dominação”.

Segundo o DSF, a agressão russa à Ucrânia é um ataque não apenas à democracia, mas também aos direitos humanos. No artigo, o movimento também “se posiciona de forma prioritária pela abertura de corredores humanitários com cessar-fogo, para que sejam retirados os civis das zonas de conflito, minimizando o número de vítimas dessa guerra”.

Nesse sentido, o grupo disse, em conversa com a reportagem, que defende punição a Putin por crimes de guerra em razão das mortes de civis. “Ficou claro que o presidente Putin quis a guerra o tempo todo. A comunidade internacional condenou a invasão e mesmo assim ele a fez, e já há centenas de civis mortos, ataques a escolas, maternidade… Ele deve sim responder por crime de guerra”.

O DSF também contestou a posição de Beijing, cuja alegada “neutralidade” é incompatível com gestos recentes pró-Moscou. “A China diretamente tem apoiado o conflito, tem ajudado a Rússia principalmente a driblar as sanções econômicas e bancárias impostas a eles, pois tem interesses econômicos e geopolíticos no conflito. Sem contar que, para eles, o triunfo de um país autoritário também é interessante”.

Por que isso importa?

A escalada de tensão entre Rússia e Ucrânia, que culminou com a efetiva invasão russa ao país vizinho no dia 24 de fevereiro, remete à anexação da Crimeia pelos russos, em 2014, e à guerra em Donbass, que começou naquele mesmo ano e se estende até hoje.

O conflito armado no leste da Ucrânia opõe o governo central às forças separatistas das autodeclaradas Repúblicas Populares de Donetsk e Lugansk, que formam a região de Donbass e foram oficialmente reconhecidas como territórios independentes por Moscou. Foi o suporte aos separatistas que Putin usou como argumento para justificar a invasão, classificada por ele como uma “operação militar especial”.

“Tomei a decisão de uma operação militar especial”, disse Putin pouco depois das 6h de Moscou (0h de Brasília) de 24 de fevereiro, de acordo com o site independente The Moscow Times. Cerca de 30 minutos depois, as primeira explosões foram ouvidas em Kiev, capital ucraniana, e logo em seguida em Mariupol, no leste do país, segundo a agência AFP.

Desde o início da ofensiva, as forças da Rússia caminham para tentar dominar Kiev, que tem sido alvo de constantes bombardeios. O governo da Ucrânia e as nações ocidentais acusam Moscou de atacar inclusive alvos civis, como hospitais e escolas, o que pode ser caracterizado como crime de guerra ou contra a humanidade.

Fora do campo de batalha, o cenário é desfavorável à Rússia, que tem sido alvo de todo tipo de sanções. Além das esperadas punições financeiras impostas pelas principais potencias globais, que já começaram a sufocar a economia russa, o país tem se tornado um pária global. Representantes russos têm sido proibidos de participar de grandes eventos em setores como esportecinema e música.

De acordo com o presidente dos EUA, Joe Biden, as punições tendem a aumentar o isolamento da Rússia no mundo. “Ele não tem ideia do que está por vir”, disse o líder norte-americano, referindo-se ao presidente russo Vladimir Putin. “Putin está agora mais isolado do mundo do que jamais esteve”.

Para ler mais acesse, www: professortacianomedrado.com  / Siga o blog do professorTM/EJ  no Facebook, e no Instagram. Ajude a aumentar a nossa comunidade.

AVISO: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião do Blog do professor Taciano Medrado. Qualquer reclamação ou reparação é de inteira responsabilidade do comentador. É vetada a postagem de conteúdos que violem a lei e/ ou direitos de terceiros. Comentários postados que não respeitem os critérios podem ser removidos sem prévia notificação.

Compartilhe:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LEITORES ONLINE

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Postagens mais visitadas

Marcadores

Seguidores

Arquivo do blog

TM TV

PARCEIROS