CORONAVÍRUS NO MUNDO: Vacina é segura para menores, mas ampliar a cobertura global é prioridade, diz OMS

Mulher recebe vacina Sputnik V em Moscou, Rússia, março de 2021 (Foto: FMI/Sergey Ponomarev)

Da redação

A vacinação para menores de 18 anos contra a Covid-19 tornou-se uma das questões mais debatidas da pandemia, em meio ao aumento de casos nessa faixa etária e à aprovação da imunização por agências sanitárias de diversos países. No último sábado (1º), a OMS (Organização Mundial da Saúde) voltou a afirmar que as vacinas liberadas por autoridades regulatórias são seguras e eficazes na redução da carga de doenças para menores de 18 anos.

Se por um lado a agência da ONU reforçou a segurança de vacinar crianças, por outro pediu cautela no assunto, reforçando que a prioridade ainda é outra: vacinar globalmente e de forma uniforme 70% da população adulta até meados de 2022 

A agência publicou informações sobre a situação de estudos de eficácia e segurança de algumas fabricantes. De acordo com a OMS, a redução da transmissão intergeracional é um importante objetivo adicional de saúde pública ao vacinar crianças e adolescentes.  No entanto, a vacinação de menores não exclui a necessidade de imunizar professores, familiares e outros contatos adultos do grupo. 

Assim, a agência considera que a vacinação de crianças e adolescentes pode proteger a educação, uma questão importante durante a pandemia. A imunização pode ajudar a minimizar as interrupções e reduzir o número de infecções nas escolas. 

benefício da vacinação de crianças e adolescentes pode ser menor em locais com altas taxas de casos positivos nessa faixa etária. No entanto, são necessários mais estudos sobre a proporção de casos em crianças em idade escolar. 

Em dezembro, diversas agências sanitárias nacionais liberaram a vacinação para crianças a partir de 5 anos, sobretudo com versões do imunizante da BioNTech/Pfizer. No Brasil e em Portugal, autoridades aprovam o uso da vacina da farmacêutica americana para maiores de cinco anos, em dosagens inferiores às utilizadas em grupo com mais de 12 anos. A aplicação em espaço de três semanas para a segunda dose permanecem iguais. 

Quatro entre as dez fabricantes com imunizantes aprovados pela OMS estão estudando dados sobre segurança e eficácia para menores e sendo gradativamente inseridas no leque de opções em alguns países. Além da Pfizer, é o caso de Moderna, Coronavac e Covaxin. 

Em outubro de 2021, o Comitê Consultivo Global sobre Segurança de Vacinas concluiu que, em todas as faixas etárias, os benefícios das vacinas mRNA na redução de hospitalizações e mortes devido ao coronavírus superam os riscos da doença.

De acordo com a OMS, nos ensaios preliminares para as vacinas de mRNA, a eficácia e a capacidade de resposta foram semelhantes ou superiores em comparação com os adultos. Os perfis de segurança e as reações adversas em adolescentes também foram parecidas aos dos adultos jovens. Casos raros de miocardite ou pericardite foram relatados com as vacinas de mRNA contra a Covid-19, observados com mais frequência em homens mais jovens, entre 16 e 24 anos de idade, e após a segunda dose da vacina, normalmente alguns dias após a vacinação.  

Segundo a OMS, os dados disponíveis sugerem que os casos são geralmente leves e respondem ao tratamento conservador, sendo menos graves do que a miocardite clássica ou que os efeitos da Covid-19.  O risco de trombose após vacinas de vetores adenovirais, embora baixo em geral, foi maior em adultos mais jovens do que em adultos mais velhos, mas não há dados disponíveis sobre o risco com idade inferior a 18 anos. 

A OMS avalia os benefícios do início da vacinação de menores, mas afirma que antes da implementação da imunização em adolescentes e crianças, é necessário ampliar a cobertura primária.  A agência defende que doses de reforço, conforme necessárias e com base na evidência de redução e otimização do impacto da vacinação em subgrupos de maior risco, como adultos mais velhos, também devem ser priorizadas. 

Em geral, a OMS explica que há proporcionalmente menos infecções sintomáticas e casos com doença grave e mortes por Covid-19 em crianças e adolescentes, em comparação com grupos de idade mais avançada.  Crianças e jovens representam uma parcela muito pequena de casos. O grupo entre cinco e 14 anos é responsável por 7% dos casos e 0,1% das mortes relatadas. Já adolescentes mais velhos e adultos jovens, entre 15 e 24 anos, representam 15% dos casos e 0,4% das mortes. Casos fatais abaixo de 25 anos somam menos de 0,5%. 

Conteúdo adaptado do material publicado originalmente pela ONU News

 

Para ler mais acesse, www: professortacianomedrado.com

AVISO: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião do Blog do professor Taciano Medrado. Qualquer reclamação ou reparação é de inteira responsabilidade do comentador. É vetada a postagem de conteúdos que violem a lei e/ ou direitos de terceiros. Comentários postados que não respeitem os critérios podem ser removidos sem prévia notificação.

Compartilhe:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LEITORES ONLINE

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Postagens mais visitadas

Marcadores

Seguidores

Arquivo do blog

TM TV

PARCEIROS