EDITORIAL: PROPOSTA INDECENTE: O governo da Argentina não cuida da sua própria casa, quer cuidar dos outros ? Você acredita nessa bondade? Leia e entenda!

Por: Taciano Gustavo Medrado Sobrinho
Professor, Engenheiro, Administrador, Matemático e redator-chefe 

Sempre que acontece algo no pais, a esquerda tenta polemizar e se aproveitar de forma mesquinha. Mais uma vez tinha que ser o petista Rui Costa em conchavo   com seu “camarada ” argentino Alberto Ángel Fernandez que ofereceu envio imediato de dez profissionais especializados nas áreas de água, saneamento, logística e apoio psicossocial para vítimas de desastres.

De forma sagaz o governo brasileiro, através do Ministério das Relações Exteriores,  negou o pedido do governador petista, afinal qual o interesse do esquerdistas Alberto Fernandez, opositor ferrenho e declarado de Bolsonaro ? Só há um motivo, expor o governo brasileiro perante o mundo fazendo-os crer que não tem capacidade de lidar com os problemas do pais e se safarem de “bons mocinhos”. Não há dúvidas que tal decisão do governo argentino é meramente de caráter politico-ideológica, afinal um governo defenestrado como o de Alberto Fernandez que tem feito o povo argentino agonizar tem condições de ajudar outras nações , se nem sua consegue ajudar? Fernandez mal consegue cuidar da sua própria casa e se arvora a querer cuidar da casa dos outros .

Como bem frisou o documento do Ministro das Relações exteriores

“"Na hipótese de agravamento da situação, requerendo-se necessidades suplementares de assistência, o Governo brasileiro poderá vir a aceitar a oferta argentina de apoio da Comissão Capacetes Brancos, cujos trabalhos são amplamente reconhecidos".  Ainda no documento enviado oficialmente ao governo argentino diz:  "o governo federal afirma que os recursos pessoal e financeiro são suficientes, com reserva de R$ 200 milhões para enfrentar a emergência.

Soberania Nacional

Caso o governo brasileiro aceitasse a proposta indecente formalizada pelo governo argentino estaria dando uma demonstração de incapacidade e de fragilidade o que decerto feriria a imagem do pais l internacionalmente. O Brasil ja enfrentou problemas muito maiores do que os vividos nesse momento pelas chuvas e sempre soube solucionar e mitigar  os efeitos sem a necessidade de interferência de outros países, ainda mais  daqueles, que declaradamente se opõe ao governo brasileiro e tentam de todas as formas desestabiliza-lo.

Com todo respeito que nos brasileiros temos com nossos Los Hermanos argentinos, que o senhor Fernandez economize esse dinheiro, que parece está sobrando e aplique em políticas públicas em favor do povo argentino que está passando por serias crises  econômicas.

Caverna de Platão Argentina  

Em matéria publicada pelo AFP, intitulada :" Há 20 anos, Argentina mergulhava na pior crise de sua história" . O texto relata que a Argentina  viveu há 20 anos a pior de suas crises econômicas e políticas, com o maior default da história, o colapso da taxa de câmbio fixo, o confisco de depósitos bancários e um presidente que fugiu de helicóptero em meio a uma revolta popular.

As cicatrizes daquele trauma são perceptíveis ainda hoje em uma desconfiança generalizada com os dirigentes políticos, contra os quais a população pedia aos gritos, em 2001, "Vão embora todos!". Cerca de 40 pessoas morreram baleadas por policiais em manifestações e saques.

A queda do governo conservador de Fernando de la Rúa ocorreu em meio a um vácuo de poder, após a explosão da âncora cambiária de um dólar igual a um peso, um modelo que, juntamente com as privatizações e a abertura comercial descontrolada, deram uma falsa ilusão de prosperidade a um país empobrecido.

Milhares de pessoas correram para os supermercados para saquear alimentos, um contraste brutal com a época em que muitos argentinos compravam itens importados de luxo, graças ao peso sobrevalorizado.

O ano de 2001 entrava na memória coletiva. "Houve uma sensação de forte orfandade, desconfiança com as instituições, o Estado e os bancos", disse à AFP o historiador Felipe Pigna.

Os poupadores pediam, com gritos e panelaços, a devolução do seu dinheiro bloqueado nos bancos no 'corralito', instrumentalizado pelo ministro da Economia Domingo Cavallo em busca de evitar o colapso do sistema bancário.

Enquanto as pessoas repetiam nas ruas "Chorros, chorros, devuelvan los ahorros!" (Ladrões, ladrões, devolvam a poupança), batiam com martelos nas portas abaixadas dos bancos.

Cavallo tinha sido ministro do peronista de direita Carlos Menem (1989-1999). Foi o pai da "Conversibilidade" de um por um, que durou dez anos até que explodiu no colo de De la Rúa.

"Dos 77.000 dólares que tinha no banco, no 'corralito' perdi 40.000. Aquele dezembro foi terrível, tinha confusão por todos os lados", evocou à AFP o analista de sistemas Ricardo Lladós, de 71 anos.

- Um país incendiado -

"Sente-se um gosto agridoce de 2001: por um lado, a tragédia total e por outro, a reação sadia das pessoas por conta própria, tentando reconstruir uma situação desastrosa, catastrófica", disse Pigna.

"Lembro com muita tristeza de ver a oficina parada", contou à AFP Fernando Soto, de 57 anos, na época chefe de uma metalúrgica.

Um estudo científico mostrou que entre 1999 e 2002 houve cerca de 20.000 mortes por problemas cardíacos a mais do que o habitual na Argentina.

Em meio ao incêndio, De la Rúa decretou estado de sítio em 19 de dezembro. A polícia montada avançou contra as Mães da Praça de Maio, que buscam seus filhos desaparecidos durante a ditadura. Foi como jogar lenha na fogueira. Centenas de milhares foram às ruas.

"A lembrança é de sangue, dor e o estado de sítio, que é coisa de uma ditadura", refletiu Pigna.

De la Rúa, da ala conservadora da social-democrata União Cívica Radical (UCR), renunciou e fugiu em um helicóptero da Casa Rosada, cercada por manifestantes, ao entardecer de 20 de dezembro.

"Abandonou o barco em uma crise inédita, com enorme custo social, aumento geométrico da pobreza (57%) e desemprego (20%) e milhões de afetados com a (posterior) desvalorização" do peso, explicou à AFP o acadêmico Pablo Tigani, mestre em Política Econômica Internacional.

A dívida pública era impagável. Nomeado presidente pelo Congresso, o peronista Adolfo Rodríguez Saá declarou, entre vivas, o maior default da história de 100 bilhões de dólares (70% do passivo). Durou uma semana no poder.

Outro presidente peronista de direita, Eduardo Duhalde, assumiu o cargo e convocou eleições antecipadas. Assim surgiu um presidente também peronista, mas situado mais à esquerda, Néstor Kirchner (2003-2007), que iniciou uma era que continuou com dois mandatos de sua esposa, a hoje vice-presidente Cristina Kirchner.

Durante este período, a Argentina cancelou a dívida que tinha com o FMI em um pagamento de 9,5 bilhões de dólares e reestruturou bônus com apoio de 93% dos credores. O restante foi devolvido em julgamentos como "fundos abutre", que compararam a dívida já em default e litigaram nos Estados Unidos para conseguir pagamentos e lucros.

- Dívida e inflação crônicas -

A Argentina, em meio a uma nova crise monetária, voltou a pedir ajuda ao FMI durante o mandato do liberal Mauricio Macri (2015-2019). Recebeu o maior empréstimo que o organismo já concedeu a um país: 57 bilhões de dólares, dos quais desembolsou US$ 44 bilhões.

Macri sustentou que os recursos foram usados para pagamentos a bancos privados que avaliavam deixar o país, para que recuperassem investimentos.

A Argentina tem vencimentos de 20 bilhões de dólares ao ano em 2022 e 2023, e suas reservas internacionais exíguas e sua situação econômica - em recessão desde 2018, com inflação de 51% ao ano e pobreza de 40,6% -, a obrigam a renegociar com o Fundo.

Embora os bancos apoiem os depósitos em dólares (20% do total), existe um controle de câmbios que limita os saques. E para demonstrá-lo, basta um botão: uma notícia falsa de 'corralito' provocou em novembro saques de depósitos.

"O ano de 2001 é um fantasma que ressurge em tempos de crise. Não em termos racionais, mas sim emocionais", concluiu Piña.

Para ler mais acesse, www: professortacianomedrado.com

Compartilhe:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LEITORES ONLINE

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Postagens mais visitadas

Marcadores

Seguidores

Arquivo do blog

TM TV

PARCEIROS