OPERAÇÃO DAIA: Com o auxilio da Subsecretaria de Conformidade e Integridade do Ministério da Infraestrutura do governo Bolsonaro ,a Justiça Federal afasta diretor do DNIT por suspeita de pagamento de propinas


Da   Redação

Polícia Federal (PFdeflagrou, nesta terça-feira (24), uma operação que apura o pagamento de propina a servidores do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT). De acordo com a investigação, uma empresa interessada em um terreno subornou funcionários para conseguir vantagens.

Os agentes cumprem 14 mandados de busca e apreensão no Distrito Federal, Goiás, Tocantins e São Paulo. A Justiça Federal também determinou bloqueio nas contas dos investigados, além do afastamento de servidores públicos.

Em nota, o Dnit disse que colabora com a investigação, "visando a completa elucidação dos fatos". O departamento disse ainda que está em contato com os órgãos de controle e que "pauta sua atuação dentro da legalidade e lisura, respeitando todos os princípios éticos da administração pública".

Os nomes dos envolvidos não foram divulgados. Eles devem responder pelos crimes de peculato, corrupção ativa e passiva, tráfico de influência e associação criminosa.

No entanto, a TV Globo apurou que o diretor de infraestrutura ferroviária do Dnit, Marcelo Almeida Pinheiro Chagas, é um dos investigados. Nesta terça, a Justiça Federal decidiu afastá-lo do cargo.

De acordo com a Polícia Federal, uma empresa operadora de portos secos contratou pessoas, "lobistas", para manipular negociações com o Dnit. Com isso, essa companhia passou a ser favorecida.

A investigação apontou que a empresa venceu uma licitação promovida pela Receita Federal para exploração do Porto Seco de Anápolis, em Goiás. Porém, o empreendimento passou a enfrentar problemas na habilitação do terreno.

Com isso, os lobistas pagaram propina aos servidores do Dnit, segundo a PF, que começaram a cuidar dos interesses da empresa. Entre as irregularidades encontradas pelos policiais, estava a avaliação do terreno feita abaixo do valor de mercado. O lote, avaliado em R$ 44 milhões, foi custeado por R$ 11 milhões, conforme apontou investigação dos agentes.

A PF informou ainda que a operação contou com apoio da Subsecretaria de Conformidade e Integridade do Ministério da Infraestrutura.

 

Para ler mais acesse, www: professortacianomedrado.co

AVISO: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião do Blog do professor Taciano Medrado. Qualquer reclamação ou reparação é de inteira responsabilidade do comentador. É vetada a postagem de conteúdos que violem a lei e/ ou direitos de terceiros. Comentários postados que não respeitem os critérios podem ser removidos sem prévia notificação

Compartilhe:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LEITORES ONLINE

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Postagens mais visitadas

Marcadores

Seguidores

Arquivo do blog

TM TV

PARCEIROS