IMBRÓGLIO COM MILITARES: Depois de demitir o comandante geral das FFAA o desconfiado e inseguro Lulapetista dispensa nova leva de militares

Foto reprodução - Poder 360

Da Redação

O governo de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) afastou uma nova leva de militares do gabinete da Presidência, Vice-Presidência e do GSI (Gabinete de Segurança Institucional). As 6 novas dispensas se somam aos 57 afastamentos publicados depois de declarações do presidente sobre desconfianças com militares pelo 8 de Janeiro. Um dos militares foi dispensado de um cargo temporário no GSI, outro afastamento foi do gabinete da Presidência da República e outros 4 foram do gabinete do vice-presidente. As portarias foram assinadas na 2ª e 3ª feiras (16 e 17 de janeiro) e publicadas no Diário Oficial da União nesta 2ª feira (23.jan). Eis as íntegras: 

Lula afirmou em 12 de janeiro que “muita gente” das Forças Armadas foi “conivente” com a invasão aos Três Poderes. Ele também afirmou que alguém abriu a porta para que a turba entrasse. O presidente demonstrou que não confia o suficiente em militares que não conhece há anos para tê-los à sua volta. Eis a declaração: “Agora, por exemplo, eu não tenho ajudante de ordens. Meus ajudantes de ordens são meus companheiros que trabalharam comigo antes. Por que eu não tenho? Eu pego o jornal está o motorista do Heleno dizendo que vai me matar e que eu não vou subir a rampa. O outro diz que vai me darO outro diz que vai me dar um tiro na cabeça e que eu não vou subir a rampa. Como é que eu vou ter uma pessoa na porta da minha sala que pode me dar um tiro? Então eu coloquei como meus ajudantes de ordem os companheiros que trabalham comigo desde 2010, todos militares.”

TROCA NO COMANDO DO EXÉRCITO

Lula demitiu no último sábado (21.jan) o general Júlio César Arruda, 62 anos. O general e comandante militar do Sudeste, Tomás Miguel Ribeiro Paiva, 62 anos, foi escolhido para assumir o posto

O Poder360 apurou que Lula ligou para o ministro da Defesa, José Múcio, às 6h da manhã de sábado (21.jan). Os 2 concordaram que Arruda deveria ser demitido. Às 10h, Múcio reuniu-se com o general e o comunicou sobre a saída.

A principal causa do desligamento de Arruda foi uma acusação de caixa 2 contra o tenente-coronel Mauro Cid durante o governo de Jair Bolsonaro (PL). Segundo apurou o Poder360, o ex-comandante queria manter a nomeação do militar para comandar o 1° BAC (Batalhão de Ações de Comandos) em Goiânia (GO), a partir de fevereiro de 2023. Lula, por outro lado, queria que a promoção do ex-ajudante de ordens de Bolsonaro fosse revogada por conta das acusações.

Com informações do Poder 360

 


Para ler a matéria na íntegra acesse nosso link na pagina principal do Instagram. www: professsortaciano medrado.com  e  Ajude a aumentar a nossa comunidade.

AVISO: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião do Blog do professor Taciano Medrado. Qualquer reclamação ou reparação é de inteira responsabilidade do comentador. É vetada a postagem de conteúdos que violem a lei e/ ou direitos de terceiros. Comentários postados que não respeitem os critérios podem ser removidos sem prévia notificação.

Compartilhe:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LEITORES ONLINE

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Postagens mais visitadas

Marcadores

Seguidores

Arquivo do blog

TM TV

PARCEIROS