ELEIÇÕES 2022: “Uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa”


Da Redação
Por: Taciano Medrado

Logo após solicitar ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) a invalidação dos votos do segundo turno computados em 60% das urnas eletrônicas, o PL, do ex-deputado Valdemar Costa Neto, disse que não vai aplicar o mesmo critério de questionamento nos votos do primeiro turno, quando a sigla elegeu ampla bancada de deputados e senadores. Em uma representação ao TSE, o PL quer anular todos os votos registrados em 279 mil urnas na eleição presidencial tomando como base o relatório de auditoria realizada por uma equipe de especialistas renomados nas áreas de tecnologia do ITA – Instituto Tecnológico da Aeronáutica contratado pelo partido liberal (PL) e que constaram categoricamente problemas de “mau funcionamento” das máquinas que podem ter influenciado no resultado final das eleições de 2022.

De acordo com o relatório que foi apresentado na tarde dessa terça-feira(22) em coletiva de imprensa pelo presidente do PL o deputado Valdemar costa Neto com a participação do responsável chefe pelos trabalhos de auditoria do ITA, que de forma sucinta, objetiva e clara teceu comentários sobre os resultados obtidos.

Diante da solicitação protocolada oficialmente pelo PL, o presidente do TSE, Alexandre de Moraes, determinou que o partido também apresentasse um estudo referente ao primeiro turno, para que o questionamento do PL não fique restrito à derrota de Bolsonaro, como deseja o atual presidente. 

Na manifestação oficial ao TSE, no prazo determinado por Alexandre de Moraes, o PL afirmou que seria medida açodada” envolver “milhares de candidatos” que disputaram as eleições porque a ideia traria grave tumulto processual”.

“Seria impossível fazer com que todas as pessoas eventualmente atingidas por decisão do TSE viessem aos autos e se manifestassem. Como essa questão pode ser inicialmente sob o ponto de vista do segundo turno, pedimos para que nesse primeiro momento fosse feita a verificação no segundo turno”, disse o advogado da legenda, Marcelo Bessa, nesta quarta-feira, 23.

Valdemar Costa Neto e o advogado Marcelo Bessa foram questionados sobre as inconsistências do relatório que produziram e disseram somente que todas as alegações haviam sido enviadas ao TSE.

O partido alega que um único dado padronizado sobre as urnas de modelos anteriores ao de 2020, em vez de um número de série único para cada máquina, não permitiria a certificação da derrota de Bolsonaro. Entretanto, as urnas têm várias outras informações que permitem atestar cada unidade.

“Não pode haver dúvida sobre o voto, tem que ser seguro. Por isso fizemos o levantamento. Se isso for uma mancha na nossa democracia, temos que resolver isso agora”, insistiu Valdemar.

A representação do PL ao TSE pede, textualmente, “que sejam invalidados os votos decorrentes das urnas em que foram comprovadas as desconformidades irreparáveis do mau funcionamento”.

Com informações do Estadão

Para ler a matéria na íntegra acesse nosso link na pagina principal do Instagram. www: professsortaciano medrado.com  e  Ajude a aumentar a nossa comunidade.

AVISO: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião do Blog do professor Taciano Medrado. Qualquer reclamação ou reparação é de inteira responsabilidade do comentador. É vetada a postagem de conteúdos que violem a lei e/ ou direitos de terceiros. Comentários postados que não respeitem os critérios podem ser removidos sem prévia notificação.

Compartilhe:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LEITORES ONLINE

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Postagens mais visitadas

Marcadores

Seguidores

Arquivo do blog

TM TV

PARCEIROS