CORONAVÍRUS: Na contra mão do mundo, Xangai adota lockdown rígido por causa da Covid, e 25 milhões de pessoas são mantidas em casa

 

 
Fotos: The Daily Digest

Enquanto o mundo tem flexibilizado cada vez mais os protocolos de prevenção da Covid, muito por conta da queda no número de casos, a China voltou a enfrentar lockdowns.

Xangai, uma megacidade com 25 milhões de habitantes, resolveu adotar regras rigorosas de isolamento, e os alto-falantes instalados num drone quebram o silêncio na maior cidade chinesa.

Para sair de casa, é preciso uma autorização especial. Algumas pessoas precisam de remédios especiais ou outras coisas.

Eu consegui sair duas vezes para pegar remédio numa clínica que é perto. Mesmo assim, precisei de uma autorização especial”, disse o brasileiro Rodrigo Zeidan, que leciona economia no campus de Xangai da Universidade de Nova York.

Chefe do escritório do Governo de São Paulo em Xangai, José Mario Antunes também vive agora situações que o restante do mundo passou há dois anos.

“A gente está hoje no auge da crise. Eu não posso sair nem da porta. Não posso sair para o condomínio”, contou Antunes.

“O problema é que os não vacinados estão concentrados entre as pessoas mais velhas”, lembra Zeidan. Segundo o próprio governo chinês, 48% da população acima de 70 anos têm o esquema completo, com três doses. Para os acima de 80 anos, o número é bem mais baixo: só 20% com três doses.

Para a variante ômicron, que está provocando o surto em Xangai, as três doses são essenciais. E as vacinas usadas na china, CoronaVac e Sinopharm, as duas de vírus inativado, têm uma eficácia muito mais baixa nos idosos quando comparadas aos outros tipos de vacinas.

“A China já deveria ter implementado uma política de dose de reforço com uma outra vacina que não a CoronaVac”, diz o infectologista Alberto Chebabo, presidente da Sociedade Brasileira de Infectologia.

Por exemplo, vacinas como Jansen, AstraZeneca, Pfizer e Moderna, que funcionam por mecanismos diferentes das vacinas de vírus inativado.

Em Xangai, as poucas pessoas que conseguem sair de casa, como o professor Zeidan, encontram um cenário de avenidas desertas.

“Fiz um vídeo de mais de um minuto no meio de uma avenida que seria uma Avenida Paulista. Poderia ter deitado no chão. Nenhum carro”, contou Zeidan.

Também traz indignação a falta de comida. Em certos casos, o governo fornece cestas básicas.

Outra situação difícil é a de famílias em que uma criança pega Covid. O governo não permite isolamento em casa. Todos com testes positivos são levados para centros de quarentena, e isso pode separar os pais dos filhos, muitas vezes, recém-nascidos.

Outra situação difícil é a de famílias em que uma criança pega Covid. O governo não permite isolamento em casa. Todos com testes positivos são levados para centros de quarentena, e isso pode separar os pais dos filhos, muitas vezes, recém-nascidos.

Fonte: The Daily Digest

Para ler mais acesse, www: professortacianomedrado.com  / Siga o blog do professorTM/EJ  no Facebook, e no Instagram. Ajude a aumentar a nossa comunidade.

AVISO: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião do Blog do professor Taciano Medrado. Qualquer reclamação ou reparação é de inteira responsabilidade do comentador. É vetada a postagem de conteúdos que violem a lei e/ ou direitos de terceiros. Comentários postados que não respeitem os critérios podem ser removidos sem prévia notificação

Compartilhe:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LEITORES ONLINE

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Postagens mais visitadas

Marcadores

Seguidores

Arquivo do blog

TM TV

PARCEIROS