DITADURA CHINESA: A China não pode silenciar os atletas olímpicos

 

Jogos Olímpicos de Inverno Beijing 2022 começam oficialmente em 4 de fevereiro

Por Doug Bandow

Os Jogos Olímpicos de Inverno Beijing 2022 chegarão em breve, apesar da oposição estrangeira. A China derrotou os esforços estrangeiros para cancelar, boicotar ou mover o que alguns ativistas chamam de “jogos do genocídio”, apesar do boicote diplomático tardio e tímido emitido pelos Estados Unidos e um punhado de seus aliados. Mas o mundo democrático ainda pode dar um passo importante: proteger os direitos dos próprios atletas.

O cancelamento nunca foi provável. Isso seria um desastre político e econômico envolvendo um número cada vez menor de países dispostos a enfrentar os dispendiosos Jogos. Considere que o único grande concorrente restante para esses Jogos foi o Cazaquistão – que explodiu em protestos sangrentos e uma repressão do governo no mês passado. Quanto ao boicote, há pouco apoio para uma repetição após os boicotes de 1980 e 1984, que mancharam os Jogos sem alcançar nada significativo.

Uma mudança também seria impraticável, com pouco tempo, poucos locais possíveis e uma pandemia global limitando ainda mais as opções. Apenas um país disposto a suportar o desagrado de Beijing poderia intervir, deixando apenas os Estados Unidos e o Canadá como substitutos plausíveis entre os anfitriões pós-2002. Tampouco o altamente político Comitê Olímpico Internacional (COI) jamais sacrificaria os Jogos por princípio.

Assim, em 4 de fevereiro, os Jogos Olímpicos serão abertas. Mesmo assim, eles vão desafiar Beijing. Não haverá espectadores internacionais, apenas um pequeno público doméstico escolhido a dedo, e a China espera garantir que não haja Covid-19, mantendo um “circuito fechado”, no qual os Jogos são isolados do resto de Beijing. Embora o boicote diplomático dos EUA tenha fracassado, ainda pode aumentar a atenção internacional para a questão politicamente carregada dos direitos humanos. Beijing achará essa cobertura desconfortável, mas como ela reage determinará seu impacto na reputação da China.

A China provavelmente estragará o trabalho. Nos últimos anos, diplomatas chineses praticaram a diplomacia do guerreiro lobo. Baseado em um filme que era Rambo com características chinesas, essa postura de confronto ganhou aplausos do público e aprovação do governo. No entanto, a prática perdeu amigos e fez inimigos no exterior. Beijing agora parece estar minimizando, mas não abandonando insultos disfarçados de diplomacia.

Além disso, a China enfatizará o controle nos Jogos. Mesmo nos Jogos Olímpicos Beijing 2008, realizadas muito antes do presidente chinês Xi Jinping reviver a repressão maoísta, a China intensificou as restrições domésticas, especialmente em relação aos dissidentes da área de Beijing. O Departamento de Estado dos EUA informou que o regime reprimiu a oposição chinesa depois de prometer mais acesso a repórteres estrangeiros.

Clube de Correspondentes Estrangeiros da China (FCCC) informou que “as autoridades locais continuaram a infringir a liberdade dos jornalistas estrangeiros de viajar e realizar entrevistas e que, durante o ano, o assédio a jornalistas estrangeiros aumentou acentuadamente, particularmente nas semanas anteriores e durante os Jogos. Entre 25 de julho de 2008, quando o centro de mídia olímpico foi inaugurado, e 23 de agosto, um dia antes da cerimônia de encerramento, a FCCC relatou 30 casos de “interferência de reportagem”, incluindo o espancamento de jornalistas estrangeiros, como correspondentes japoneses em Xinjiang.

O governo Xi pode estar se preparando para ir ainda mais longe neste ano, ameaçando os visitantes ocidentais se criticarem seus anfitriões. Na semana passada, Yang Shu, vice-diretor-geral de relações internacionais do Comitê Organizador de Beijing 2022, procurou dar um toque positivo à censura: “Qualquer expressão que esteja alinhada com o espírito olímpico, tenho certeza, será protegida”, disse Yang. Claro, ele quis dizer espírito olímpico com características chinesas, como viajar para a China para entregar panegíricos a Xi, que provavelmente será indicado para um terceiro mandato ainda neste ano e sem cuja liderança o mundo obviamente estaria perdido.

Mas ai de qualquer atleta que acredite que o espírito olímpico significa liberdade e faça perguntas embaraçosas sobre os muitos chineses trancados em prisões e campos – ou use os Jogos como uma oportunidade para criticar o grande e poderoso Xi; violações chinesas dos direitos humanos, que são maciças e crescentes; e ameaças do Exército de Libertação Popular de tomar território e invadir Taiwan. Yang observou prestativamente: “Qualquer comportamento ou discurso que seja contra o espírito olímpico, especialmente contra as leis e regulamentos chineses, também está sujeito a certas punições”. Atletas já estão se manifestando. O jogador da NBA Enes Kanter Freedom tem criticado as práticas chinesas e foi apoiado pelo gigante do basquete Kareem Abdul-Jabbar. O snowboarder norte-americano e atleta olímpico Shaun White posou com uma bandeira tibetana. Os patinadores no gelo dos EUA e os atletas olímpicos Evan Bates e Timothy LeDuc também atacaram fortemente os abusos dos direitos humanos na China.

Se isso significa uma saída rápida do paraíso do povo, com características chinesas; um convite para o chamado chá com as autoridades, nunca um exercício agradável; ou uma estadia prolongada em uma hospedaria especial do governo por alguns meses ou anos, ele não disse. As opções mais brandas são mais prováveis ​​– mas muito pouco é impossível na China de Xi, como descobriram indivíduos como os “dois Michaels, canadenses sequestrados e mantidos como reféns por anos como moeda de troca política. No entanto, a culpa não é um pré-requisito para a punição na China moderna, e a culpa em defender a liberdade torna qualquer ofensa pior.

Obviamente, os visitantes não podem esperar imunidade legal ao brincar de turista na China. No entanto, a liberdade de expressão deve ser respeitada dentro da competição, inclusive expressa pelos atletas e noticiada pela mídia. Antes que um atleta se posicione ou um jornalista cubra um incidente embaraçoso e seja levado embora, as democracias dos Estados Unidos, da Europa e da Ásia devem se reunir, estabelecer um plano comum, pressionar o COI a alertar Beijing contra o abuso de seu papel de anfitrião e preparar uma resposta unida a qualquer incidente.

Para começar, esse consórcio de liberdade de expressão deve indicar que punir visitantes estrangeiros receberia ampla cobertura da mídia durante os Jogos, custando a Beijing a vitória de propaganda que espera obter. Os Estados amigos também devem alertar a China de que prisões e processos levariam a uma oposição unida contra Beijing que realizasse quaisquer futuros Jogos, reuniões ou conferências. Se a China deseja atuar como anfitriã internacional, deve respeitar as normas internacionais e acomodar os participantes. Os países ocidentais devem indicar sua disposição de emitir avisos de viagem contra a visita à China e destacar os riscos de se dirigir a um país onde a lei não seja obstáculo ao partido e reféns políticos sejam apreendidos.

Abusos flagrantes podem justificar o recurso às sanções da Lei Magnitsky, embora seu impacto seja principalmente simbólico. Washington também poderia ter como alvo o Comitê Olímpico Chinês e organizações relacionadas, bem como outros grupos chineses que organizam reuniões internacionais. Manter contatos não oficiais entre a China e o resto do mundo é um bem importante. No entanto, tais sanções podem ser um último recurso necessário.

Os Estados Unidos, mesmo com o apoio dos aliados, não podem refazer a China à força. No entanto, Washington deve priorizar o apoio às normas internacionais e a proteção dos norte-americanos quando Beijing atua como anfitriã internacional, especialmente de algo tão importante quanto os Jogos Olímpicos. Se o governo Xi quiser polir sua imagem internacional, deve estar à altura dos ideais subjacentes da competição olímpica.

Este artigo foi publicado originalmente em inglês na revista Foreign Policy

Para ler mais acesse, www: professortacianomedrado.com

AVISO: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião do Blog do professor Taciano Medrado. Qualquer reclamação ou reparação é de inteira responsabilidade do comentador. É vetada a postagem de conteúdos que violem a lei e/ ou direitos de terceiros. Comentários postados que não respeitem os critérios podem ser removidos sem prévia notificação.

Compartilhe:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LEITORES ONLINE

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Postagens mais visitadas

Marcadores

Seguidores

Arquivo do blog

TM TV

PARCEIROS