ORIENTE MÉDIO: Economia do Afeganistão está em ‘queda livre’ e ameaça toda a população, diz ONU

Reunião de líderes do governo talibã no Afeganistão (Foto: twitter.com/IeaOffice)

Da Redação

A economia do Afeganistão está em “queda livre”, segundo o subsecretário-geral da ONU para Coordenação de Assuntos Humanitários, Martin Griffiths. Ele afirmou nesta terça-feira (21) que 23 milhões de pessoas passam fome no país, sendo que as crianças desnutridas estão lotando os centros de saúde. E que 70% dos professores estão sem salário, com milhões de estudantes fora da escola.  

A crise ocorre em meio à desvalorização acentuada do afegane, a moeda do país, e à falta de confiança do setor financeiro, que “destrói o comércio” e bloqueia empréstimos e investimentos.  

O subsecretário-geral da ONU declarou ser “urgente a necessidade de estabilizar o setor bancário e garantir liquidez”. Segundo Griffiths, só assim será possível “salvar a população afegã e permitir uma resposta das organizações humanitárias”. 

O representante da ONU elogiou a decisão do Banco Mundial de transferir, ainda neste mês, US$ 280 milhões para os trabalhos do Unicef e do Programa Mundial de Alimentos (PMA) no Afeganistão. 

Griffiths explica que as famílias estão sem dinheiro para transações do dia a dia, enquanto os preços das principais commodities continuam subindo. Tanto o trigo como o combustível tiveram alta de 40% e as famílias gastam 80% de sua renda no supermercado

O apoio internacional para o desenvolvimento está congelado, e serviços sociais básicos tão necessários à população desapareceram. Griffiths alerta ainda para a possibilidade de que a pobreza universal se torne uma realidade para 97% dos afegãos até meados do próximo ano. Segundo ele, durante o período de um ano, 30% do PIB (Produto Interno Bruto) afegão será perdido, enquanto o desemprego entre os homens alcançará a marca dos 29%.  

O subsecretário-geral para Assuntos Humanitários teme que o país não conseguirá enfrentar esta temporada de inverno apenas com ajuda emergencial, por isso é necessário mais financiamento de doadores para garantir serviços básicos nos setores da educação, da saúde, da energia, entre outros. 

Griffiths afirma que, em 2022, a ONU deverá lançar o maior apelo financeiro da história, de US$ 4,5 bilhões, em prol dos mais vulneráveis do Afeganistão. Sem ação, ele afirma que haverá consequências claras: “O Afeganistão irá colapsar, as pessoas vão perder a esperança e toda a região verá um aumento da desestabilização”.  

Conteúdo adaptado do material publicado originalmente pela ONU News

Para ler mais acesse, www: professortacianomedrado.com

AVISO: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião do Blog do professor Taciano Medrado. Qualquer reclamação ou reparação é de inteira responsabilidade do comentador. É vetada a postagem de conteúdos que violem a lei e/ ou direitos de terceiros. Comentários postados que não respeitem os critérios podem ser removidos sem prévia notificação.

Compartilhe:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LEITORES ONLINE

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Postagens mais visitadas

Marcadores

Seguidores

Arquivo do blog

TM TV

PARCEIROS