ÔMICRON: Os especialistas africanos em saúde disseram que as vacinas existentes provavelmente ainda oferecem boa proteção contra efeitos graves da variante

 

Foto de ilustração sobre a variante Ômicron do coronavirus-  REUTERS/Dado Ruvic

Da Redação

Da mesma forma como os primeiros casos do  o Novo Coronavírus quando surgiu no mundo, cercado de incertezas, a variante Ômicron da Covid-19 também chega com muita especulação. As primeiras evidências sobre a variante  sugerem que ela escapa das vacinas, mas os casos tendem a ser leves. Na reportagem do jornal O Globo, informa que os dados vêm da província de Gauteng, epicentro da Ômicron na África do Sul, e do Reino Unido.

Na África do Sul, onde a ômicron foi detectada pela primeira vez, autoridades disseram que a maioria das pessoas agora internadas não havia sido vacinada, e evidências sugerem que os problemas apresentados são semelhantes aos anteriores. Os especialistas em saúde disseram que as vacinas existentes provavelmente ainda oferecem boa proteção contra efeitos graves.

A nova variante gerou uma corrida global para entender a rapidez com que a cepa pode se espalhar e como os imunizantes no mercado irão responder. Casos da variante ômicron foram identificados em vários países, como Canadá, Reino Unido e Austrália, e vários governos impuseram restrições para viagens com origem na África do Sul e em diversos países vizinhos

Informações da Agência de Segurança e Saúde britânica sinaliza que em um grupo de 22 pessoas infectadas com a variante, apenas seis não estavam vacinados e dois tinham status vacinal desconhecido.

No Brasil, já se sabe que os três primeiros casos também eram pessoas com esquema vacinal completo, lembra a reportagem. Nos Estados Unidos, há um caso positivo em pessoa vacinada com três doses.

À reportagem, o geneticista Salmo Raskin, diretor do Laboratório Genetika, de Curitiba, sinalizou que já estava claro que a variante tem escape à infecção natural, o que significa que o indivíduo infectado previamente por outra variante da Covid não está protegido contra essa. Mas agora surgem informações sobre o status de vacinação dos pacientes.   

Sabendo da limitação dos dados, tanto os que vêm da África do Sul quanto os da Inglaterra apontam para o mesmo lugar: também existe um escape para quem está vacinado. Aparentemente, agora que já passaram três semanas desde a detecção da Ômicron, o número de casos graves é pequeno e não houve mortes confirmadas. Então, dados preliminares sugerem que as pessoas vacinadas não vão ter uma doença grave. As coisas que vão se montando”, afirmou Raskin.

O geneticista ainda previu que em cerca de uma semana o cenário fique mais claro. “Devemos saber em uma semana porque vão sair os resultados de estudos laboratoriais: soros de convalescentes, anticorpos monoclonais com a Ômicron, vacinas contra a variante. As culturas virais demoram para ficar prontas e ser analisadas. Além disso, vamos ver a evolução dos casos, que geralmente se definem depois de entre 7 e 10 dias”, disse ao Globo.


Para ler mais acesse, www: professortacianomedrado.co

AVISO: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião do Blog do professor Taciano Medrado. Qualquer reclamação ou reparação é de inteira responsabilidade do comentador. É vetada a postagem de conteúdos que violem a lei e/ ou direitos de terceiros. Comentários postados que não respeitem os critérios podem ser removidos sem prévia notificação.

Compartilhe:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LEITORES ONLINE

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Postagens mais visitadas

Marcadores

Seguidores

Arquivo do blog

TM TV

PARCEIROS