AMÉRICAS: Principal ‘corretora’ de dados do mundo, China vai vencendo a guerra contra os EUA

XO presidente dos EUA, Joe Biden: derrota na disputa tecnológica com a China (Foto: Divulgação/Gage Skidmore)

O presidente da China, Xi Jinping: big data é a principal arma geopolítica atual (Foto: COP Paris)

Da Redação

Este artigo foi publicado originalmente em inglês no jornal The New York Times

Por Matt Pottinger e David Feith

O presidente Joe Biden saiu de sua cúpula com o presidente da ChinaXi Jinping, em 15 de novembro, com o compromisso de processar o que ele chamou de “competição simples e direta” com a China. Mesmo assim, Beijing já está derrotando os Estados Unidos e seus aliados em um domínio crucial: dados.

Os dados são o petróleo do século XXI, o recurso indispensável que irá alimentar algoritmos de inteligência artificial, força econômica e poder nacional. A fonte desses dados somos todos nós: nossos registros de saúde e sequências genéticas, nossos hábitos online, os fluxos da cadeia de suprimentos de nossos negócios, os terabytes de imagens engolidos por telefones, drones e carros autônomos.

A competição pela influência global no século XXI exigirá a proteção e o aproveitamento desses dados para obter vantagens comerciais, tecnológicas e militares. Até agora, a China está ganhando, e o Ocidente mal está engajado.

Por meio de uma rede de leis e regulamentos recentes, Xi tem trabalhado arduamente para tornar o Partido Comunista Chinês (PCC) o principal “corretor” de dados do mundo. Como Beijing faz isso? Isolando os dados chineses do mundo, exercendo novo poder extraterritorial sobre os fluxos de dados globais e colocando as empresas estrangeiras que operam na China em uma situação legal – tudo isso enquanto absorvem os dados de outros países por meios lícitos e ilícitos.

Xi sabe que o simples ato de bloquear os dados chineses, representando os padrões e comportamento de cerca de 1,4 bilhão de pessoas, basta para prejudicar os rivais de Beijing na busca pela superioridade econômica global.

O governo Biden falou sobre a importância dos dados em nossa competição com a China. Mas nenhuma estratégia visível surgiu. Isso ameaça a privacidade, a competitividade econômica, a segurança nacional e a futura posição global dos americanos. Este será um grande teste para a política norte-americana em relação à China em 2022.

O ponto cego de Washington para a centralidade do big data nas ambições de Beijing e para as maneiras como nossos próprios dados estão sendo explorados a serviço dessas ambições é desconcertante em um momento em que os políticos americanos estão cada vez mais preocupados com a coleta e potencial exploração de big data pelos gigantes da tecnologia dos EUA.

É ainda mais desconcertante porque os americanos, de maneira bipartidária, também estão percebendo as maneiras como Beijing explora e arma outros recursos dos EUA, como nossos mercados de capitais.

Isso é evidente em como Washington está finalmente – embora intermitentemente – começando a lidar com o fluxo autodestrutivo de dólares americanos para o aparelho de vigilância militar e global da China. Embora esse tipo de medida ainda precise ser ampliado dramaticamente, pelo menos os legisladores agora têm algumas ferramentas para restringir o fácil acesso de Beijing à capital dos EUA.

Não é assim quando se trata de dados, onde Beijing acredita que tem carta branca e que o Ocidente está muito distraído ou irresponsável para responder de forma significativa. Xi está pensando e agindo grandiosamente, desde seus primeiros dias no poder.

Em 2013, logo após assumir a presidência em Beijing, Xi declarou: “O vasto oceano de dados, assim como os recursos de petróleo durante a industrialização, contém um imenso poder produtivo e oportunidades. Quem quer que controle as tecnologias de big data controlará os recursos para o desenvolvimento e terá a vantagem”.

Desde então, Beijing vem construindo a estrutura para garantir que o acúmulo em massa de dados sirva aos interesses estratégicos do Partido Comunista Chinês.

Uma série de leis implementadas em 2017 afirmaram o poder do partido de obter acesso a dados privados em redes chinesas, seja na China ou associadas a empresas chinesas como a Huawei no exterior.

Agora Beijing discretamente promulgou um novo conjunto de leis – primeiro a Lei de Segurança de Dados em setembro, seguida em novembro pela Lei de Proteção de Informações Pessoais – que vão ainda mais longe, exigindo não apenas acesso a dados privados, mas também controle efetivo sobre eles.

Isso tem um grande impacto sobre as empresas estrangeiras que operam na China. Não apenas seus dados chineses devem permanecer na China e ser acessíveis ao Estado, mas Beijing agora exige controle sobre se eles podem enviá-los para suas próprias sedes; para um laboratório corporativo na, digamos, Califórnia; ou a um governo estrangeiro que fez uma solicitação de cumprimento da lei ou regulamentar.

As novas leis de Beijing podem tornar criminoso o cumprimento de sanções estrangeiras contra a China que envolvem dados – como o fechamento de serviços bancários ou em nuvem para uma entidade chinesa ligada a atrocidades contra os direitos humanos. Nesses casos, as empresas estrangeiras podem cumprir a lei dos EUA ou podem cumprir a lei chinesa, mas não ambas.

O impacto dessas leis é claro. Tesla, Apple e outros optaram por construir centros de dados chineses dedicados – às vezes em parceria com entidades estatais chinesas, para não perderem o acesso ao grande mercado consumidor chinês. Goldman Sachs enfrentou pressão contra o envio de memorandos à sua sede nos Estados Unidos.

As ações recentes de Beijing complementam seus esforços de longa data para comprar, roubar e adquirir dados de fontes estrangeiras em todo o mundo. Beijing hackeia bancos de dados corporativos multinacionais. Administra programas de “recrutamento de talentos” em universidades e empresas estrangeiras. Compra empresas estrangeiras, como uma fabricante italiana de drones militares. Financia suas próprias start-ups baseadas em dados em mercados estrangeiros abertos, como o Vale do Silício.

A abordagem é claramente não recíproca. Beijing se baseia no acesso a dados estrangeiros enquanto nega o acesso de estrangeiros aos dados chineses – e parece assumir que os governos estrangeiros não responderão. Afinal, os Estados Unidos não têm uma abordagem federal abrangente para a governança de dados, enquanto o Regulamento Geral de Proteção de Dados da União Europeia (UE) se concentra principalmente na privacidade do consumidor.

Os legisladores americanos e aliados desenvolverão abordagens para limitar os fluxos de dados estratégicos para a China? Por enquanto, a resposta do governo Biden é: talvez.

“Nossos concorrentes estratégicos veem o big data como um ativo estratégico”, disse o conselheiro de segurança nacional dos EUA, Jake Sullivan, neste verão, “e temos que ver da mesma forma”.

Esta é uma linguagem clara e convincente. Mas os dados não pareciam estar no topo da agenda de Biden com Xi, a julgar pelas leituras oficiais da cúpula.

E, até o momento, os recursos da política dos EUA são ociosos e insuficientes.

Em junho, o governo emitiu uma ordem executiva adotando um novo processo regulatório para restringir os fluxos de dados transfronteiriços por motivos de segurança nacional. Mas o novo processo ainda não foi colocado em uso – não contra drones chineses, contra o acesso chinês a centros de dados e laboratórios de biotecnologia dos EUA ou contra outros alvos potenciais.

Nesse ínterim, o envolvimento dos diplomatas e negociadores comerciais dos EUA em questões de dados é dominado por disputas acirradas com os reguladores europeus sobre as regras de privacidade para os gigantes americanos da tecnologia. A ameaça muito maior de Beijing continua sem solução.

A boa notícia é que, se as nações democráticas agirem juntas, elas podem estar em uma posição melhor do que Beijing, o que complica seu próprio progresso por meio da aparente paranoia.

Nos últimos meses, Xi reprimiu gigantes da tecnologia chinesa, como Alibaba e Tencent, forçando-os a ceder seus acervos de dados para terceiros controlados pelo Estado. Essa repressão, que ajudou a eliminar mais de US$ 1 trilhão em valor de mercado, tornará essas empresas menos inovadoras agora que não controlam mais seus dados.

Mas apostar no exagero autoritário chinês para preservar a vantagem dos Estados Unidos não é uma estratégia.

Uma abordagem mais inteligente começaria internamente, com a implementação real (e robusta) da ordem executiva de junho do governo Biden. Isso envolveria o bloqueio ou a reversão de acordos pelos quais grandes volumes de dados confidenciais dos EUA fluem para a China, seja por meio de registros médicos, aplicativos de celular ou outros canais – todos basicamente não regulamentados no momento.

Os aliados democratas também devem trabalhar juntos para promover o compartilhamento de dados entre si, enquanto limitam os fluxos para a China. Um projeto foi apresentado pelo ex-primeiro-ministro Shinzo Abe do Japão. Essa ideia, chamada de Fluxo Livre de Dados com Confiança, deve se tornar uma política aliada.

Por mais de uma geração, Beijing tem sido friamente eficaz no desenho de uma estratégia de mercantilismo global de dados: acúmulo de dados para mim, renúncia de dados para ti.

Se Washington e seus aliados não organizarem uma resposta forte, Xi terá sucesso em comandar as alturas do futuro poder global.

 

Para ler mais acesse, www: professortacianomedrado.com

AVISO: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião do Blog do professor Taciano Medrado. Qualquer reclamação ou reparação é de inteira responsabilidade do comentador. É vetada a postagem de conteúdos que violem a lei e/ ou direitos de terceiros. Comentários postados que não respeitem os critérios podem ser removidos sem prévia notificação.

Compartilhe:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LEITORES ONLINE

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Postagens mais visitadas

Marcadores

Seguidores

Arquivo do blog

TM TV

PARCEIROS