ÁFRICA: Produção agrícola pode cair 80% até 2050 em países africanos, afirma órgão da ONU

Mulher recebe alimentos em Minkammen, no Sudão do Sul (Foto: UN Photo)
Da Redação

As plantações de alimentos básicos podem diminuir em pelo menos 80% até 2050 em oito países africanos. Os dados constam do relatório divulgado nesta segunda-feira (1) pelo Fida (Fundo Internacional para o Desenvolvimento Agrícola), da ONU (Organização das Nações Unidas).As informações são do site de notícias internacionais A Referência .

O documento explica que as reduções, causadas pelo aumento da temperatura global, poderiam ter um impacto catastrófico, aumentando a pobreza e limitando a disponibilidade de alimentos. Nesse sentido, a publicação ressalta que é urgente a necessidade de financiamento para ajudar agricultores vulneráveis ​​na adaptação de seus cultivos.

De acordo com o Fida, a COP26, que está sendo realizada em Glasgow, na Escócia, não terá um impacto duradouro se os líderes mundiais continuarem a priorizar a mitigação e negligenciar os investimentos em adaptação climática.

O relatório comprova que, se nenhuma mudança for feita nas práticas agrícolas ou políticas globais, o aumento de cerca de 2° C na temperatura global terá impacto devastador na produção de alimentos básicos e cultivos de pequenos agricultores em diversos países da África.

Reforçando a necessidade de investimentos em ações para adaptações às mudanças climáticas, a vice-presidente do Departamento de Estratégia e Conhecimento do Fida, Jyotsna Puri, afirma que a cada US$ 18 gastos em mitigação, apenas US$ 1 atende às iniciativas de adequação aos novos desafios.

O estudo do Fida afirma que, embora nenhum país esteja imune aos impactos das mudanças climáticas, os pequenos agricultores dos países em desenvolvimento são os mais vulneráveis ​​e os menos capazes de lidar com a situação. Eles produzem um terço dos alimentos do mundo e até 80% em algumas áreas da África e da Ásia, mas recebem menos de 2% dos fundos investidos globalmente em financiamento climático.

De acordo com o documento, o baixo investimento para a adaptação terá um efeito cascata em todo o mundo. A queda na produtividade das safras pode levar à alta dos preços dos alimentos, à diminuição da disponibilidade de alimentos e ao aumento da fome e da pobreza. Isso poderia desencadear um aumento da migração, conflito e instabilidade.

No último ano, em todo o mundo uma em cada dez pessoas vivia com fome. No continente africano, o número sobe para uma em cada cinco pessoas.

De acordo com o relatório, o impacto da mudança climática inevitavelmente forçará mudanças fundamentais nas escolhas de safras locais e práticas agrícolas até 2050 nesses países. Os investimentos recomendados incluem plantar safras alternativas diversificadas, plantar alimento variado e adaptado localmente, utilizar diferentes técnicas de plantio, fortalecer as capacidades e infraestrutura de armazenamento e processamento e cadeias de valor à prova de clima e melhorar o acesso e a gestão da irrigação.

De acordo com Puri, a COP26 é “um ponto de inflexão para a humanidade” e que não se pode “desperdiçar a oportunidade de limitar o aumento da temperatura e apoiar agricultores a se tornarem resilientes aos efeitos das mudanças climáticas”.

Para ler mais acesse, www: professortacianomedrado.com

AVISO: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião do Blog do professor Taciano Medrado. Qualquer reclamação ou reparação é de inteira responsabilidade do comentador. É vetada a postagem de conteúdos que violem a lei e/ ou direitos de terceiros. Comentários postados que não respeitem os critérios podem ser removidos sem prévia notificação

Compartilhe:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LEITORES ONLINE

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Postagens mais visitadas

Marcadores

Seguidores

Arquivo do blog

TM TV

PARCEIROS