MARCHA Á RÉ: China cada vez mais rejeita o inglês e o mundo- Xangai, a cidade mais cosmopolita do país, proibiu as provas de inglês nas escolas primárias, em meio ao aumento da rejeição a tudo que é estrangeiro

Estudante chinesa em foto de dezembro de 2018 (Foto: Jerry Wang/Unsplash)
Por Li Yuan

Como estudante da faculdade de direito da Universidade de Beijing em 1978, Li Keqiang mantinha os dois bolsos da jaqueta cheios de papéis escritos à mão. Uma palavra em inglês estava escrita de um lado, recorda um ex-colega de classe, e a versão chinesa correspondente estava escrita do outro.

O Sr. Li, agora o primeiro-ministro da China, fazia parte do frenesi de aprender inglês na China. Uma revista chamada Learning English (Aprendendo Inglês, em tradução literal) vendeu meio milhão de assinaturas naquele ano. Em 1982, cerca de 10 milhões de lares chineses – quase o equivalente ao número de proprietários de uma televisão na China à época – assistiram a Follow Me, um programa de aprendizagem de inglês da BBC com linhas como: “Qual é o seu nome? Meu nome é Jane.”

É difícil exagerar o papel que o inglês tem desempenhado na mudança da paisagem social, cultural, econômica e política da China. Inglês é quase sinônimo de reforma e políticas de abertura da China, que transformaram uma nação empobrecida e hermética na segunda maior economia do mundo.

É por isso que foi um choque para muitos quando as autoridades educacionais de Xangai, a cidade mais cosmopolita do país, proibiram no mês passado as escolas primárias locais de realizar os exames finais de inglês.

De modo geral, as autoridades chinesas estão diminuindo a carga de trabalho de crianças em idade escolar, em meio a um esforço para aliviar o fardo das famílias e dos pais. Ainda assim, muitos chineses interessados ​​em inglês não podem deixar de ver a decisão de Xangai como um retrocesso contra o idioma e contra a influência ocidental em geral – e mais um passo para longe da abertura para o mundo.

Muitos chamam o fenômeno de “marcha à ré”, ou Grande Salto para Trás da China, uma alusão à desastrosa campanha de industrialização do final dos anos 1950, que resultou na pior fome causada pelo homem na história da humanidade.

No ano passado, a autoridade educacional da China proibiu escolas de ensino fundamental e médio de usarem livros didáticos do exterior. Um conselheiro do governo recomendou neste ano que o exame anual de admissão à faculdade parasse de testar o inglês. Novas restrições neste verão às cadeias de aulas particulares com fins lucrativos afetaram as empresas que ensinam inglês há anos.

Livros originais em inglês e traduzidos também são desencorajados nas universidades, especialmente nos assuntos mais sensíveis, como jornalismo e estudos constitucionais, de acordo com professores que falaram sob a condição de anonimato. Três deles reclamaram que a qualidade de alguns livros autorizados pelo governo foi prejudicada porque alguns autores foram escolhidos por sua antiguidade e lealdade partidária, em vez de suas qualificações acadêmicas.

O presidente da prestigiosa Universidade Tsinghua em Beijing foi criticado neste verão depois de enviar a cada novo aluno uma cópia em chinês de “O Velho e o Mar”, de Ernest Hemingway. Ele escreveu em uma carta que queria que os alunos aprendessem a ter coragem e perseverança. Alguns usuários de mídia social questionaram por que ele escolheu o trabalho de um autor americano ou por que ele não incentivou os alunos a estudarem para a ascensão da China.

Em alguns casos, a ortodoxia do Partido Comunista Chinês está substituindo os textos estrangeiros. As escolas primárias em Xangai podem não estar realizando testes de inglês, mas um novo livro sobre “O Pensamento de Xi Jinping sobre o Socialismo com Características Chinesas para uma Nova Era” será leitura obrigatória nas escolas primárias, médias e secundárias da cidade a partir deste mês. Cada aluno deve fazer uma aula semanal durante um semestre.

O Partido Comunista está intensificando o controle ideológico e a propaganda nacionalista, um esforço que poderia voltar o relógio para as décadas de 1950 e 1960, quando o país foi fechado para grande parte do mundo e as campanhas políticas ultrapassaram o crescimento econômico. Um ensaio nacionalista amplamente divulgado na semana passada pela mídia oficial chinesa citou “os ataques bárbaros e ferozes que os EUA começaram a lançar contra a China”.

Até poucos anos atrás, o governo chinês ainda enfatizava o aprendizado de uma língua estrangeira. “O ensino de línguas estrangeiras na China não pode ser enfraquecido. Em vez disso, deve ser fortalecido”, escreveu o jornal oficial do Partido Comunista, People’s Daily, em 2019. O artigo dizia que quase 200 milhões de estudantes chineses tiveram aulas de língua estrangeira em 2018, desde escolas primárias até universidades. A grande maioria deles estavam aprendendo Inglês.

Por muito tempo, a capacidade de ler e falar inglês foi considerada a chave para empregos bem remunerados, oportunidades de estudar no exterior e melhor acesso à informação.

Quando o Sr. Li estudou direito em Beijing no final dos anos 1970, o país havia acabado de emergir da tumultuada Revolução Cultural. Ele e seus colegas queriam aprender as leis ocidentais, mas a maioria dos livros era em inglês, disse Tao Jingzhou, colega de faculdade de Li e advogado em Beijing agora. Seus professores os incentivaram a aprender inglês e traduzir algumas obras originais para o chinês.

O Sr. Li passou a fazer parte de um grupo que traduziu o livro The Due Process of Law (Devido Processo Legal, em tradução literal), de Lord Denning, o jurista britânico.

Nas décadas de 1980 e 1990, jovens chineses em muitas cidades se reuniram nas “esquinas inglesas” para falar uma língua estrangeira uns com os outros. Alguns mais valentes, incluindo o futuro fundador do Alibaba, Jack Ma, iniciaram conversas com os poucos visitantes estrangeiros falantes de inglês para melhorar suas habilidades de conversação.

Com o desenvolvimento da Internet, uma geração de chineses aprendeu inglês com séries de TV como Friends e The Big Bang Theory.

Alguns empresários encontraram ouro ensinando inglês ou oferecendo instruções sobre como fazer testes no idioma. A New Oriental Education and Technology, uma empresa com sede em Beijing, tornou-se um fenômeno cultural tão grande que inspirou um filme de grande sucesso, American Dreams in China (Sonhos Americanos na China, em tradução literal). O herói ensinou inglês da maneira que muitos na China aprenderam, como memorizar a palavra “ambulância” como a palavra chinesa para “Eu não posso morrer”.

Os principais líderes da China costumavam se orgulhar de seu inglês. O ex-presidente Jiang Zemin recitou o discurso de Gettysburg de Lincoln em sua entrevista de 2000 para o 60 Minutes e disse a jornalistas agressivos de Hong Kong que suas perguntas eram “muito simples, às vezes ingênuas”. Em 2013, o premiê Li fez um discurso parcialmente em inglês em Hong Kong.

O inglês perdeu um pouco de seu brilho após a crise financeira de 2008. Xi Jinping, o líder supremo da China, não parece falar a língua.

Agora, o inglês se tornou um dos sinais de suspeita influência estrangeira, um medo alimentado pela propaganda nacionalista que só piorou de tom desde a eclosão do Coronavírus. Como resultado, as ligações da China com o mundo exterior estão sendo rompidas uma a uma.

A autoridade de controle de fronteira da China disse em agosto que, como parte dos procedimentos de controle da pandemia, iria suspender a emissão e renovação de passaportes, exceto em ocasiões urgentes e necessárias. Os cidadãos chineses de classe média com passaportes vencidos se perguntam se poderão viajar para o exterior mesmo após a pandemia.

Alguns residentes da cidade de Hangzhou, no leste do país, que receberam ligações do exterior, imediatamente receberam ligações da polícia local, que perguntou se as ligações eram fraudes. Acadêmicos e jornalistas que participaram de um programa de intercâmbio patrocinado pelo Ministério das Relações Exteriores do Japão foram chamados de traidores e instados a se desculpar no início do verão.

Mas, enquanto a China não fechar suas portas para o mundo exterior, o inglês ainda será visto por muitos como crucial para desbloquear o sucesso. Após o anúncio de Xangai, uma pesquisa online com cerca de 40 mil respostas descobriu que cerca de 85% dos entrevistados concordaram que os alunos devem continuar a aprender inglês, não importa o que aconteça.

Covid-19 e as tensões entre os dois países prejudicaram o fluxo de estudantes chineses para as universidades americanas. Ainda assim, a Embaixada dos Estados Unidos em Beijing disse que emitiu 85 mil vistos de estudante desde maio.

Um advogado de Xangai com tendência nacionalista escreveu em sua conta verificada do Weibo que gostaria que sua filha aprendesse bem inglês, porque o inglês seria útil para o crescimento econômico da China.

“Quando o chinês poderia parar de aprender inglês?” ele perguntou, para depois responder à própria pergunta: “Quando a China se tornar líder nas tecnologias mais avançadas e o mundo precisar segui-la”.

“Então”, escreveu ele, os estrangeiros “podem vir para aprender chinês”.

Este artigo foi publicado originalmente em inglês no jornal The New York Times

 

Para ler mais acesse, www: professortacianomedrado.com

AVISO: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião do Blog do professor Taciano Medrado. Qualquer reclamação ou reparação é de inteira responsabilidade do comentador. É vetada a postagem de conteúdos que violem a lei e/ ou direitos de terceiros. Comentários postados que não respeitem os critérios podem ser removidos sem prévia notificação

Compartilhe:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LEITORES ONLINE

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Postagens mais visitadas

Marcadores

Seguidores

Arquivo do blog

TM TV

PARCEIROS