ARTIGO: Crescimento do PIB da China não consegue medir seu padrão de vida

 

Xi Jinping, presidente da China, fala a crianças em evento de abril de 2021: educação é para os privilegiados (Foto: divulgação/cpc.people.com.cn/)

Por Anne Stevenson-Yang*

Talvez o mito mais duradouro sobre a China seja que o Partido Comunista Chinês “tirou um bilhão de pessoas da pobreza” e deveria ser reverenciado por essa contribuição monumental.

Isso é impreciso por vários motivos. Primeiro, a pobreza não é um estado estático que é curado com a entrega de um conjunto de bens materiais. Se fosse, os EUA ainda estariam agradecendo a FDR (Franklin Delano Roosevelt) e ao Partido Democrata por nos tirar da pobreza da Grande Depressão. Em segundo, o abjeto estado de pobreza da China foi, é claro, criado por Mao Tsé-tung e o Partido Comunista, primeiramente. Outros países asiáticos deram um salto à frente durante os anos 1960 e 1970. A China foi retida.

Mas a razão mais importante para considerar este meme de “retirada da pobreza” com um grão de sal é que a pobreza continua muito real para dois terços dos chineses, os dois terços classificados como “rurais”, os dois terços que os investidores na China nunca veem.

Será uma surpresa para muitos, senão para a maioria, da multidão impulsionadora pela China que a renda per capita chinesa ocupou o 75º lugar entre os países em 2016, ao lado da Argélia e da Tailândia. Ou que apenas 11% da população rural e 30% da população em geral concluem o ensino médio.

O melhor corretivo para mal-entendidos sobre essaChina invisível” é um livro que saiu em 2020 e continua sendo o livro mais importante sobre a China em uma década: Invisible China: How the Urban-Rural Divide Threatens China’s Rise (sem tradução para o português), de Scott Rozelle e Natalie Hell. Os autores baseiam-se em anos de trabalho no interior da China, onde realizaram pesquisas regulares e extensas. Os pontos de dados acima são do livro, mas estão prontamente acessíveis a partir de fontes como o Banco Mundial e o World Factbook da CIA (Agência Central de Inteligência, da sigla em inglês). O nível de escolaridade da China está abaixo de Brasil, Argentina, México, Filipinas e África do Sul. Em uma lista de 42 países, a China está em último lugar na proporção da população com mais de um ensino fundamental. O ensino médio não só não é obrigatório na China, mas frequentar um colégio acadêmico (em vez de vocacional) exige exames competitivos e taxas proibitivas para famílias pobres.

Além do atraso na educação, os autores documentam uma crise de saúde chocante na China rural. Eles relatam que, nas áreas rurais, de um quarto a um terço dos alunos do ensino fundamental sofrem de miopia não corrigida, anemia e vermes intestinais, geralmente uma combinação de dois ou três deles. A anemia e os vermes exaurem sua energia e reduzem a capacidade de concentração. A miopia os impede de aprender.

Eles mostram que as questões nutricionais e as práticas antiquadas de criação dos filhos significam que pelo menos metade dos bebês rurais da China têm seu desenvolvimento atrasado e podem nunca “atingir o QI adulto acima de 90”.

As consequências potenciais são preocupantes: o cenário rural faz com que a China pareça um México, preso em uma armadilha de desenvolvimento. Os empregos de baixa qualificação já estão deixando a China rumo a Vietnã, Índia e outros países, mas a força de trabalho não está equipada para mudar para empregos de maior qualificação. O capital humano é o predicado mais importante para emergir do gueto de renda média em que países como o México chafurdam. Imagine quase dois terços da população da China incapaz de encontrar emprego além de catadores de lixo, vendedores ambulantes ou os caras que param você em cruzamentos para limpar seu para-brisa.

Em 2008, o economista do MIT Yasheng Huang, em seu livro Capitalism with Chinese Characteristics (sem tradução para o português), argumentou que a China experimentou um breve renascimento rural e um surto de crescimento durante os anos 1980. Mas o medo de derrubada do Partido Comunista após os protestos de Tiananmen levou a uma centralização dramática de poder e a uma mudança decisiva do privilégio econômico para longe das áreas rurais. Huang mostrou que as medidas que monitoram o padrão de vida na China e o bem-estar geral do povo chinês mostram uma deterioração após a centralização.

Para sair da armadilha da estagnação e proporcionar um melhor padrão de vida para seu povo, a China deve voltar a um pacote mais liberal de reformas econômicas e políticas, na verdade, às reformas que estavam em andamento na década de 1980. Isso significaria um afrouxamento do controle. Sob Xi Jinping, a China está viajando na direção oposta.

*Comecei como jornalista na década de 1980 em Nova York, mas me mudei para a China em 1993 e me tornei essencialmente uma analista econômica e de negócios da China. Na China, fundei três empresas: uma editora, uma empresa de software/CRM e uma empresa de mídia online, então sei como é difícil ganhar dinheiro na China e como é fácil – ou era, no auge – fazer acordos de investimento. Conheci a maioria dos empreendedores de internet da China antes de serem famosos e ricos. Talvez isso me deixe com ciúme, ou talvez apenas cética. Eu falo chinês e tenho muitos amigos e sogros chineses, o que torna ainda mais doloroso que, por enquanto, eu não posso estar lá.

Fonte: A Referência

Para ler mais acesse, www: professortacianomedrado.com

AVISO: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião do Blog do professor Taciano Medrado. Qualquer reclamação ou reparação é de inteira responsabilidade do comentador. É vetada a postagem de conteúdos que violem a lei e/ ou direitos de terceiros. Comentários postados que não respeitem os critérios podem ser removidos sem prévia notificação.

Compartilhe:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LEITORES ONLINE

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Postagens mais visitadas

Marcadores

Seguidores

Arquivo do blog

TM TV

PARCEIROS