OPINIÃO: “LÉO SANTANA REPRESENTA O SÃO JOÃO DA BAHIA? E LÉO SANTANA REPRESENTA O SÃO JOÃO?”


foto reprodução Redes Sociais 

Por: Vera Medeiros
Professora

O padrão do ‘politicamente correto’ não nos permite dizer determinadas coisas em tom menos filosófico que o considerado aceitável. Então, para falar da escolha do cantor Léo Santana para representar o São João da Bahia num evento da Rede Globo Nordeste, quero usar o argumento clássico do óbvio: a representatividade musical.

Imaginemos que se convocasse o brilhante João Gilberto, o chamado ‘Papa da Bossa Nova’, para representar o “Manguebeat” e deixássemos a figura de Chico Science e do Mestre Ambrósio, por exemplo, a observar isso com a mesma “naturalidade” que alguns têm usado para pensar que “ela encaixa com esse grave do beat” , “quando a bunda começar a jogar”.

Léo Santana representa o São João da Bahia?

E Léo Santana representa o São João?

Mais grave que a falta de conhecimento que grande parte desta geração tem dos movimentos musicais brasileiros é a violentação intelectual que ela sofre por parte dos que conhecem a trajetória dos talentos que o Brasil possui. Essa violência intelectual nega a força que significa respeitar a representatividade de cada área musical, sua identidade cultural.

Por que esqueceríamos que Pixinguinha, Chiquinha Gonzaga, Antônio Calado merecem o trono da beleza do Chorinho? 

Baseado em que negaríamos que Lupicínio Rodrigues e Dalva de Oliveira embalaram as dores de cotovelo de sua geração, através do rádio ? 

Como podemos esquecer que foi o “Rei do Baião” que levou o sertão, sua gente, suas raízes a serem respeitadas no cenário musical brasileiro? 

Por que ignorar a genialidade da Bossa, a revolução do Tropicalismo, o efervescer  da Jovem Guarda, a doçura do Clube da Esquina e os grandes nomes que representam cada um desses movimentos musicais?
Dá para pensar que o próprio Luiz Gonzaga se arvoraria a representar o ‘axé music’ e se apropriaria da cultura na qual ele não se faria pertencer musicalmente?

Não. Ele já havia aprendido que o seu “fole prateado” não lhe daria o direito de “mangar” nem de Januário, nem de qualquer representante de outra riqueza musical.

E é por isso que Gonzagão tem seus representantes no universo do forró , do xote, do xaxado, do baião... E estes devem ser respeitados. A Bahia, o Brasil e o mundo sabem disso.

O axé tem seus representes – e Léo Santana, inclusive, o repaginou com seu “rebolation”. Tem seu valor nesse processo identitário. Ponto.

Como afirma Caetano, "quem viu praias, paixões fevereiras não dizem o que Junhos de fumaça e frio".

Riachão diria : “Cho chuá/ cada macaco no seu galho”.

Eu reforço: Globo Nordeste, Léo Santana, respeitem o São João e sua identidade! Respeitem Januário!


Para ler outras matérias  acesse, www: professortacianomedrado.com

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião do Blog do professor Taciano Medrado. É vetada a postagem de conteúdos que violem a lei e/ ou direitos de terceiros. Comentários postados que não respeitem os critérios podem ser removidos sem prévia notificação.

Compartilhe:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

ENQUETE

LEITORES ONLINE

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Postagens mais visitadas

Seguidores

Arquivo do blog

TM TV

PARCEIROS