SEGURANÇA INTERNACIONAL: EUA e China flertam com o desastre à medida que aumenta a chance de conflito. Artigo afirma que a tensão no Mar da China Meridional pode levar a um conflito militar entre as duas superpotências

Navios da marinha dos EUA no Mar da China Meridional (Foto: Wikimedia Commons)

Navio norte-americano durante exercício no Mar da China Meridional, no dia 6 de julho de 2020 (Foto: Marinha dos EUA/Flickr)

Da redação

Por Mark J. Valencia

Os tufões no Mar da China Meridional foram bastante severos no ano passado, mas podem não ser o único tipo de tempestade por lá. Na verdade, a disputa entre os EUA e a China pelo domínio poderia produzir um turbilhão militar.

Globalmente, o poder militar dos EUA é claramente superior ao da China. A diferença entre eles é menos pronunciada nas águas próximas à China, como o Mar da China Meridional (ou Mar do Sul da China), mas os Estados Unidos continuam a tentar a sorte nessa área.

Os EUA podem estar calculando mal a capacidade militar da China na área e sua vontade política de usá-la se necessário. O presente impasse inquietante pode ser uma calmaria enganosa antes de uma tempestade, e as coisas podem piorar muito rapidamente.

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, descreveu a disputa entre os Estados Unidos e a China como aquela que determinará se a democracia liberal ou o autoritarismo sairão vitoriosos. Os EUA estão agora formando coalizões de países dispostos a ajudá-los a evitar que a China alcance sua meta de domínio regional.

Isso inclui o Quad – abreviação para Diálogo de Segurança Quadrilateral – e o acordo AUKUS. O Quad é uma coalizão entre Estados Unidos, Austrália, Índia e Japão que tem o objetivo declarado de manter um “Indo-Pacífico livre e aberto”.

Os líderes do Quad “defendem a adesão ao direito internacional, particularmente conforme refletido na Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar, para enfrentar os desafios à ordem com base nas regras marítimas, incluindo nos mares do leste e do sul da China”. Esta é a a resposta ao que consideram reivindicações ilegítimas da China no Mar da China Meridional.

O AUKUS, por sua vez, é um acordo entre os EUA e a Grã-Bretanha para fornecer propulsão de submarino nuclear e tecnologia de drones subaquáticos à Austrália. Um provável uso desses submarinos será ajudar os EUA a neutralizar os submarinos nucleares da China no Mar da China Meridional.

O acordo também prevê a rotação de caças e bombardeiros americanos para o norte da Austrália e a potencial aquisição de bases mais rotativas para seus submarinos em Perth, Austrália Ocidental. Os Estados Unidos também aumentarão o uso da Austrália como base para sua vigilância e dissuasão da China no Mar da China Meridional.

À medida que o poder da China se expande, o Mar da China Meridional se tornou uma fronteira de atrito militar com os EUA e as forças aliadas. Beijing tem sido restringido em suas ações, um fato que o acadêmico chinês Zhang Feng diz que decorre de seu desejo de não reagir de forma exagerada, da confiança em sua influência estratégica e econômica na região e da crença de que o tempo está a seu lado.

Mas há limites para a contenção da China. O corpo político da China é cada vez mais nacionalista, e qualquer perda de prestígio nacional, como uma escalada pública forçada no Mar da China Meridional, poderia desencadear uma resposta mais severa.

Existem também razões estratégicas para a angústia da China. Seus submarinos nucleares de segundo ataque operam no Mar da China Meridional. Eles são seu seguro contra um primeiro ataque. As sondas de inteligência, vigilância e reconhecimento (ISR) dos EUA no Mar da China Meridional se concentram na detecção e rastreamento de submarinos nucleares da China.

Dado o que percebe ser a crescente ameaça dos Estados Unidos aos seus submarinos nucleares, a China está construindo capacidades em alguns dos seus recursos para neutralizar as sondas ISR dos EUA e aumentar a capacidade de sobrevivência de seus submarinos nucleares. Do ponto de vista da China, essas bases de vigilância eletrônica são necessárias em face de uma ameaça existencial.

No entanto, os EUA aumentaram a frequência de suas sondagens militares ISR das defesas da China. Também aumentou sua liberdade de operações de navegação, desafiando as reivindicações territoriais e jurisdicionais marítimas da China, para quem essas operações são uma ameaça à soberania e segurança.

A preocupação com um confronto militar não é teórica. Em 2001, um avião da inteligência dos EUA e um jato chinês colidiram perto de Hainan. O piloto chinês morreu quando seu jato caiu no mar, e o avião dos EUA danificado fez um pouso de emergência em Hainan. A região e o mundo prenderam a respiração coletiva enquanto cabeças mais frias negociavam a libertação da tripulação.

Também houve várias chamadas fechadas. Em outubro de 2018, quase houve uma colisão no Mar da China Meridional entre o destróier americano Decatur e um navio de guerra chinês. O Pentágono disse que o navio chinês usou “uma manobra insegura e pouco profissional”, forçando o Decatur a mudar de curso para evitar uma colisão.

Em maio de 2020, o cruzador de mísseis guiados Bunker Hill e outros navios dos EUA realizaram exercícios com uma fragata australiana perto do local de uma disputa em curso entre China, Vietnã e Malásia sobre direitos de exploração. Dois destróieres chineses e uma fragata logo chegaram, tornando a situação mais perigosa. Outros navios de guerra dos EUA também apareceram.

O foco da prevenção de conflitos agora se tornou o que a China chama de “reconhecimento e exercícios prolongados e intensos por navios e aeronaves militares dos EUA”. A China diz que eles são “a fonte dos riscos à segurança marítima e aérea sino-americana”.

Até agora, esses esforços têm sido insuficientes para evitar o shadow boxing militar de ambos os lados. O código não vinculativo para encontros não planejados no mar de 2014 é ineficaz como mecanismo de prevenção de conflitos porque muitos desses encontros não são inesperados, nem mesmo não planejados.

Durante sua recente visita ao Sudeste Asiático, o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, basicamente lançou o desafio. Falando em Jacarta, ele reiterou que os EUA iriam “defender a ordem baseada em regras”, acrescentando que os EUA e outros países – incluindo os requerentes do Mar da China Meridional – continuariam a se levantar contra as violações do direito internacional pela China.

A China e os EUA estão flertando com um desastre no Mar da China Meridional. Eles estão se apalpando como pugilistas no primeiro assalto. Até agora, eles evitaram uma colisão frontal, mas esta pode ser apenas a calmaria antes da severa tempestade militar.

Com informações do site de notícias internacionais A Referência.

 

Para ler mais acesse, www: professortacianomedrado.com

AVISO: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião do Blog do professor Taciano Medrado. Qualquer reclamação ou reparação é de inteira responsabilidade do comentador. É vetada a postagem de conteúdos que violem a lei e/ ou direitos de terceiros. Comentários postados que não respeitem os critérios podem ser removidos sem prévia notificação.

Compartilhe:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LEITORES ONLINE

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Postagens mais visitadas

Marcadores

Seguidores

Arquivo do blog

TM TV

PARCEIROS