CONFLITO IMINENTE: ARTIGO: Taiwan está se armando para vencer uma invasão chinesa, e algumas novas armas são melhores que outras

Taiwan adquiriu 200 novos caças F-16V dos Estados Unidos (Foto: Flick)

Drone MQ-9 Sea Guardian da força aérea norte-americana: Taiwan quer comprar quatro destes (Foto: Wikimedia Commons)

Por David Axe

O ministério da defesa de Taiwan está pedindo aos legisladores US$ 17 bilhões para 2022. Esse orçamento recorde, responsável por 2,3% do produto interno bruto do país, seria um aumento de 5% em relação aos gastos de 2021. As informações são do site de notícias internacionais A Referência.

O orçamento pagaria, entre outras coisas, novos mísseis de defesa aérea para as seis fragatas da classe Kang Ding da marinha, mais quatro drones armados MQ-9B para a força aérea, bem como uma série de mísseis para a crescente frota de novos caças F-16V.

A maioria das despesas propostas – mas não todas – alinha-se com a estratégia de guerra cada vez mais defensiva de Taiwan.

Antes, a democrática ilha de 24 milhões de habitantes ostentava mais e melhores navios, aviões e tanques do que seu inimigo muito mais populoso. Hoje, a China, com 1,4 bilhão de habitantes, tem uma vantagem militar quantitativa e, cada vez mais, qualitativa sobre Taiwan.

Portanto, Taipei está cada vez mais se apoiando na vantagem natural que qualquer defensor tem contra um atacante.

“Unificar” Taiwan com a China é o princípio central da política externa do Partido Comunista Chinês. Mas as tropas chinesas precisam ir a Taiwan para conseguir o que Beijing deseja. Já as tropas taiwanesas não precisam se mover um centímetro. E eles tiveram décadas para cavar.

Os estrategistas têm uma palavra para definir essa postura defensiva. É a abordagem “porco-espinho” para a guerra.

Não é à toa que mísseis – além de sensores para guiá-los e veículos para lançá-los – ultimamente têm dominado os planos de gastos de Taipei. Nos últimos anos, as autoridades taiwanesas iniciaram compras em grande escala de novos mísseis antinavio, de ataque terrestre e antiaéreo. Os espinhos do porco-espinho. Muitas centenas deles.

A ideia é lançar tantos mísseis contra uma força de invasão chinesa em aproximação que as munições sobrecarreguem as defesas dos invasores. O objetivo é afundar metade das potencialmente centenas de grandes navios que transportam tropas chinesas em direção aos portos e praias de Taiwan.

Nem todos os mísseis são criados iguais, no entanto. E alguns dos investimentos que os militares taiwaneses desejam fazer em 2022 valem mais a pena do que outros.

Os quatro MQ-9s feitos nos EUA fazem muito sentido. A proposta de orçamento de 2022 sugere que Taiwan pode comprar a variante armada do drone Sea Guardian da General Atomics, que em essência é uma versão mais resistente e mais distante do Reaper básico da empresa.

Mas a força aérea taiwanesa não precisa do conjunto Sea Guardian de US$ 600 milhões – os quatro veículos aéreos mais as estações de controle terrestre – para o punhado de mísseis Hellfire de curto alcance que os drones podem transportar para a batalha.

Ela precisa dos drones para localizar alvos para os 400 mísseis anti-navio Harpoon fabricados pela Boeing e 100 lançadores montados em caminhões que a marinha está comprando por cerca de US$ 2,4 bilhões, bem como para os Harpoons que armam os cerca de 200 caças F-16V novos e atualizados que a Força Aérea está adquirindo da fabricante de aviões norte-americana Lockheed Martin por meio de um acordo de US$ 8 bilhões.

O orçamento de 2022 também inclui US$ 360 milhões para armas adicionais – potencialmente centenas delas – para os esquadrões F-16V, incluindo Harpoons anti-navio, além de mísseis para evasão de ataque terrestre e mísseis antirradiação de alta velocidade de busca de radar.

As centenas de mísseis de fabricação americana constituem apenas uma parte do crescente arsenal de ataques terrestres e mísseis de cruzeiro antinavio de Taiwan. O exército, a marinha e a força aérea já têm cerca de 800 mísseis dessa classe – principalmente modelos fabricados localmente.

Os Harpoons lançados por caminhão vão aumentar o estoque de mísseis para 1,2 mil – o mínimo que as autoridades taiwanesas dizem que precisam para afundar metade de uma frota de invasão chinesa e impedir um ataque à ilha. Mísseis adicionais diminuem o risco para as forças taiwanesas e aumentam para as chinesas.

Atualizar seis fragatas por US$ 1,5 bilhão, enquanto conforta as tripulações desses navios, não faz muito sentido neste contexto. As seis fragatas Kang Ding da década de 1990, baseadas na classe francesa La Fayette, são remanescentes de uma época em que a marinha taiwanesa superou a marinha chinesa e tinha chance de derrotar uma frota de invasão longe da costa.

Com o crescimento explosivo da marinha do PLA (exército chinês) nos últimos anos, esse tempo passou. A frota chinesa opera 170 corvetas, fragatas, contratorpedeiros e cruzadores. A frota taiwanesa tem apenas 28 desses navios. E os navios taiwaneses são muito mais antigos do que os chineses.

É verdade que as fragatas Kang Ding precisam de uma revisão do poder de fogo. No momento, sua única grande arma de defesa aérea é uma versão naval do antiquado míssil Chaparral com alcance de cinco milhas. O orçamento de 2022 propõe a substituição do Chaparral pelo novo míssil TC-2N de fabricação local com alcance de 20 milhas.

Mas o TC-2N não salvará os Kang Dings em um confronto naval com a frota chinesa muito superior. O novo míssil, na melhor das hipóteses, atrasaria a derrota da frota taiwanesa.

Uma possível guerra por Taiwan pode ser vencida ou perdida na cabeça de ponte, enquanto uma força de invasão chinesa abre caminho através de um enxame de mísseis antinavio lançados por ar e superfície.

Novos drones ajudam as chances dos defensores, melhorando a mira dos mísseis. Armar ligeiramente seis fragatas não ajuda muito.


Para ler mais acesse, www: professortacianomedrado.com

AVISO: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião do Blog do professor Taciano Medrado. Qualquer reclamação ou reparação é de inteira responsabilidade do comentador. É vetada a postagem de conteúdos que violem a lei e/ ou direitos de terceiros. Comentários postados que não respeitem os critérios podem ser removidos sem prévia notificação.

Compartilhe:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LEITORES ONLINE

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Postagens mais visitadas

Marcadores

Seguidores

Arquivo do blog

TM TV

PARCEIROS