ARTIGO: Lituânia mostra qual é o segredo para se opor à China


Por Thomas Shattuck*

A nação báltica da Lituânia tornou-se recentemente a face europeia da resistência contra a República Popular da China – e também um novo amigo de Taiwan.

A Lituânia [é o mais recente país a provocar mudanças em suas políticas em relação a Taiwan e China.

O primeiro movimento significativo foi em maio, quando anunciou que havia abandonado a iniciativa China-CEEC (Cooperação entre a China e os Países da Europa Central e Oriental), transformando o fórum “17 + 1” em “16 + 1”.

O ministro das Relações Exteriores da Lituânia, Gabrielius Landsbergis, disse que o acordo não cumpriu seu propósito e trouxe poucos benefícios ao país.

Ele instou a UE (União Europeia) a abandonar o 16 + 1 em favor de negociar com Beijing um formato “27 + 1” para obter melhor alavancagem.

A UE é mais potente como frente unificada e mais fraca quando é dividida ao meio. O anúncio não foi necessariamente chocante, já que Vilnius havia anunciado que estava revendo sua participação na China-CEEC no início do ano.

No entanto, demonstrou que mesmo os países menores não precisam temer a China, especialmente se o governo nacional não viu muitos benefícios.

A Lituânia não parou com a China-CEEC. Em julho, Taipei e Vilnius anunciaram que cada um abriria escritórios de representação recíproca em suas capitais. Esta notícia, combinada com o desafio anterior imposto pela Lituânia a Beijing, aponta para uma nova direção na forma como o país abordará a região.

Ter escritórios de representação não é novidade para Taiwan. Muitos países têm escritórios em Taipei, que tem muitos escritórios em todo o mundo em países com os quais não mantém relações diplomáticas formais.

No entanto, o escritório de Taiwan na Lituânia marca uma mudança importante em um aspecto: o uso da palavra “Taiwan”. O escritório terá o nome de Escritório de Representação de Taiwan na Lituânia”, que é o primeiro para um escritório de representação onde Taiwan não tem relações diplomáticas formais. O escritório na Somalilândia é denominado “Escritório de Representação de Taiwan”, mas a Somalilândia não é uma nação reconhecida internacionalmente.

Mesmo nos Estados Unidos, Taiwan usa “Taipei” no nome de seu escritório de representação, portanto, esse avanço na Lituânia é um desenvolvimento digno de nota.

Essa tendência pode continuar ou os escritórios já existentes podem mudar seus nomes?

Beijing não aceitou o anúncio do escritório de representação levianamente. O governo chinês convocou seu embaixador na Lituânia e exigiu que a Lituânia enviasse de volta para casa seu embaixador na China, como punição pela mudança. Beijing obviamente quer dar o exemplo da Lituânia da mesma forma que intimidou a Coréia do Sul depois que os EUA implantaram seu sistema Terminal de Defesa Aérea de Alta Altitude no país, e depois que a Austrália pediu uma investigação internacional sobre as origens do Covid-19 na China.

Em ambos os casos, Beijing usou seu peso econômico para penalizar empresas e marcas sul-coreanas e australianas. A China está seguindo esse padrão com a Lituânia, que agora enfrenta uma campanha de boicote semelhante. A China suspendeu o frete ferroviário direto para a Lituânia e não está concedendo licenças de exportação para algumas das indústrias agrícolas da Lituânia.

A China não é um dos principais parceiros comerciais da Lituânia, então o país tem menos exposição do que outros que enfrentam a ira de Beijing. Isso limita o que Beijing pode realisticamente alcançar com esta campanha, e o efeito não deve ser tão severo.

No caso da Austrália, que comercializa de forma muito mais significativa com a China, as mercadorias boicotadas encontraram outros destinos e o impacto econômico não foi tão severo quanto o previsto. Na verdade, alguns – mas não todos – setores estavam em melhor situação.

Talvez a Lituânia não tenha muito a temer no longo prazo – uma vantagem potencial para Estados menores que desafiam Beijing.

Outros países europeus que enfrentam maior exposição econômica podem hesitar em seguir os passos da Lituânia, mas é possível limitar os efeitos econômicos negativos, especialmente se a UE agir em solidariedade para combater a pressão chinesa.

O desenvolvimento mais crucial neste caso da Lituânia é como Beijing decidiu que um país soberano não poderia abrir um escritório de representação em Taiwan. A UE tem seu próprio escritório em Taipei e muitos países europeus – nem todos eles membros da UE – têm escritórios em Taiwan. Beijing teria reagido tão duramente se a Lituânia fizesse o anúncio sem sair da China-CEEC? A reação é resultado das duas decisões juntas? Sua reação é apenas sobre a inclusão de “Taiwan” no nome? Ou Beijing vai chamar de volta e expulsar embaixadores de todos os países que decidirem abrir um escritório de representação em Taipei ou permitirem que Taiwan abra um escritório em seu país? É este o novo padrão de como Beijing tratará os países que tomam decisões independentes que atendam às suas próprias necessidades?

O fracasso em abrir o escritório de representação de Taiwan na Guiana na última hora é um exemplo oposto do caso da Lituânia.

A UE apoiou a decisão da Lituânia. Seu porta-voz disse que a decisão de Vilnius não violou a própria política da UE de “Uma Só China”.

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Hua Chunying, refutou essa afirmação, dizendo: “A definição do princípio único da China não deve ser distorcida. O povo chinês nunca permitirá o ato de flagrantemente se envolver em interações oficiais com as autoridades de Taiwan e até mesmo endossar aqueles que buscam a ‘independência de Taiwan’ enquanto elogiam o princípio da China única. ”

No entanto, Hua estava confundindo o próprio princípio de Só China” de Beijing com as políticas de “Uma Só China” da UE e de outros países soberanos, uma tática comum de Beijing em sua tentativa de isolar Taiwan internacionalmente.

Sempre que nações soberanas tomam suas próprias decisões sobre seus interesses e como se relacionam com Taiwan, Beijing vê tal ação como uma afronta a um “princípio” que outros países não subscrevem em suas “políticas”.

Embora a UE tenha apoiado a decisão da Lituânia, o verdadeiro teste será como Bruxelas apóia a Lituânia agora que Beijing está usando sua política econômica para punir Vilnius.

Bruxelas permanecerá firme em uma só voz, apesar dos membros individuais terem diferentes níveis de envolvimento e exposição à China? Ou, se a UE não apoiar totalmente a Lituânia, os outros membros da UE agirão de forma independente em resposta?

As nações bálticas da Lituânia, Estônia e Letônia são muito próximas política, econômica e militarmente e têm uma história comum de opressão soviética. É lógico que a Estónia ou a Letônia poderão ser um dos próximos países a dar um passo em solidariedade com a Lituânia, deixando também a China-CEEC ou aumentando a cooperação com Taiwan. A questão da China – além de apenas Taiwan – é agora um teste essencial para a UE.

Ainda é muito cedo para fazer previsões sólidas sobre como a UE agirá coletivamente ou o que os membros individuais da UE podem fazer em relação a Taiwan e à Lituânia.

No entanto, no caso da Lituânia, as coisas evoluíram com relativa rapidez. Taiwan doou máscaras cirúrgicas para a Lituânia como parte de sua campanha #TaiwanCanHelp e, em seguida, a Lituânia se comprometeu a doar vacinas Covid-19 como forma de agradecimento. Até o final deste ano, terá um escritório de representação em Taipei.

O futuro provavelmente será determinado pelo que Beijing decidir.

Frequentemente, suas reações exageradas saem pela culatra e fazem mais mal do que bem para a imagem da China em todo o mundo.

Ameaças e respostas duras levam outros países a melhorar os laços econômicos ou políticos com outros países em seu benefício. Sempre que Beijing age em retribuição, seu kit de ferramentas se expande e encolhe, dependendo de como o país muda de rumo e como a comunidade internacional responde.

*Thomas Shattuck é pesquisador do Programa Ásia do Instituto de Pesquisa de Política Externa

Para ler mais acesse, www: professortacianomedrado.com

AVISO: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião do Blog do professor Taciano Medrado. Qualquer reclamação ou reparação é de inteira responsabilidade do comentador. É vetada a postagem de conteúdos que violem a lei e/ ou direitos de terceiros. Comentários postados que não respeitem os critérios podem ser removidos sem prévia notificaçã

Compartilhe:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LEITORES ONLINE

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Postagens mais visitadas

Marcadores

Seguidores

Arquivo do blog

TM TV

PARCEIROS