Bolsonaro participa de motociata em Brasília no domingo(08) em defesa do voto impresso

O presidente da República, Jair Bolsonaro, participa de motociata com apoiadores na Esplanada dos Ministérios neste domingo (8)| Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

Da   Redação

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) participou de mais uma motociata em Brasília neste domingo (8). Sem máscara, ele cumprimentou os participantes do ato, gerou aglomeração e voltou a desrespeitar medidas sanitárias recomendadas para a prevenção da Covid-19.

A concentração começou a partir das 9h30 na praça dos Três Poderes. O trajeto incluiu as cidades de Ceilândia, onde viveu a primeira-dama Michelle Bolsonaro, e Taguatinga, ambas no Distrito Federal.

Bolsonaro já havia participado de uma motociata em Florianópolis no sábado (7). Na ocasião, insistiu na pregação a favor do voto impresso e, em meio a críticas ao STF (Supremo Tribunal Federal), exaltou a "legitimidade" dele e do Congresso.

"Quem decide as eleições são vocês. Não são meia dúzia [de pessoas] dentro de uma sala secreta que vão contar e decidir quem ganhou as eleições. Não vão ser um ou dois ministros do Supremo Tribunal Federal que vão decidir o destino de uma nação. Quem teve voto, quem tem legitimidade, além do presidente, é o Congresso Nacional", afirmou.

O presidente tem atacado ministros do STF e do TSE (Tribunal Superior Eleitoral). Bolsonaro tem dito reiteradamente que as urnas eletrônicas são passíveis de fraudes, defendido o voto impresso e feito ameaças golpistas, dizendo que pode não haver eleição em 2022, quando deverá disputar a reeleição.

Neste domingo, havia apoiadores com adesivos colados nas roupas com o pedido "voto impresso auditável".

Entre os participantes se destacaram bandeiras do Brasil. Ao longo da motociata, houve ao menos uma parada. A Polícia Militar do Distrito Federal não divulgou expectativa de público.

Após o trajeto, que durou cerca de 2 horas, Bolsonaro voltou para o Palácio do Planalto, de onde partiu para o Palácio da Alvorada.

Após repetidos ataques a integrantes das cortes, Bolsonaro xingou o ministro Luís Roberto Barroso, na sexta-feira (6), diante de apoiadores em Joinville (SC).

Em um vídeo compartilhado em redes sociais, o presidente aparece cumprimentando apoiadores em Santa Catarina e chama Barroso de "filho da puta". No trecho, Bolsonaro dá a entender que o ministro teria mandado pessoas ao local para atacá-lo.

Também na sexta, o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), anunciou que vai levar a PEC (proposta de emenda à Constituição) do voto impresso ao plenário da Casa, mesmo após o texto ter sido derrotado em comissão especial no dia anterior.

O projeto deve ser votado na próxima terça (10) no plenário.

A estratégia, segundo pessoas próximas a Lira, seria rejeitá-lo e esvaziar a pressão de Bolsonaro. Rodrigo Pacheco (DEM-MG), que comanda o Senado, afirmou que a tendência é que a mudança seja rechaçada.

Lira usou uma rede social neste sábado (7) para mandar recados em defesa da harmonia e separação dos Poderes. Ele afirmou que em "baile bom" se dança "sem pisar no pé de ninguém".

Esta é a oitava motociata promovida por Bolsonaro pelo país, sempre aos fins de semana. Em todas elas o presidente desrespeitou os protocolos sanitários ao causar aglomerações e cumprimentar apoiadores sem máscara.

As outras edições do evento ocorreram em Brasília (9 de maio), Rio de Janeiro (23 de maio), São Paulo (12 de junho), Chapecó, em Santa Catarina (26 de junho), Porto Alegre (10 de julho) e Presidente Prudente, no interior de SP (31 de julho), e em Florianópolis (7 de agosto).

Ao fim dos trajetos de moto, Bolsonaro costuma fazer discursos em cima de carros de som, com ataques às eleições e às urnas eletrônicas, citações às Forças Armadas e críticas a prefeitos e governadores por medidas de restrição.

O passeio do presidente também envolve uma estrutura de segurança nessas cidades.

Em São Paulo, por exemplo, o reforço no policiamento custou R$ 1,2 milhão e contou com 5 aeronaves, 10 drones e 600 viaturas, segundo o governo de João Doria (PSDB), seu adversário político.

Na quarta (4), Doria afirmou que, se o presidente fizer novas motociatas no estado, será cobrado pelos custos de segurança pública.

"Não é obrigação do Governo do Estado de São Paulo fazer segurança de motociatas sem que o custo seja suportado por quem as organiza e as promove", disse.

 

Para ler mais acesse, www: professortacianomedrado.com

AVISO: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião do Blog do professor Taciano Medrado. Qualquer reclamação ou reparação é de inteira responsabilidade do comentador. É vetada a postagem de conteúdos que violem a lei e/ ou direitos de terceiros. Comentários postados que não respeitem os critérios podem ser removidos sem prévia notificação.

Compartilhe:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LEITORES ONLINE

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Postagens mais visitadas

Marcadores

Seguidores

Arquivo do blog

TM TV

PARCEIROS