NOTÍCIAS INTERNACIONAIS: ONU: Famílias em Moçambique abrigam deslocados de Cabo Delgado

Grupo de deslocados de Cabo Delgado aguardam acomodações da Unicef em abrigo na cidade de Beira, Moçambique, em janeiro de 2021 (Foto: Unicef/Ricardo Franco)

Da Redação
Por: Prof. Taciano Medrado

violência em Cabo Delgado, no norte de Moçambique, já causou mais de 670 mil deslocados internos desde o início dos confrontos em 2017. Extremistas e grupos não-estatais invadiram a região, na fronteira com a Tanzânia, estão em confrontos com tropas do governo moçambicano.  As informações são do site de notícias internacionais A Referência.

No último 24 de março, grupos armados não-estatais invadiram a cidade de Palma, ao lado da capital de Cabo Delgado, Pemba, matando dezenas de civis. A FAO (Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura) e outras agências da ONU atuam em Cabo Delgado para socorrer a população do conflito.  

Várias famílias abriram as portas de casa nas províncias de Nampula e Niassa para acolher os moradores que fogem da violência. Há relatos de decapitações, sequestros e violência sexual. 

Uma das vítimas, Abdul Selemane, de 44 anos, teve sua casa incendiada pelos terroristas. Ele fugiu com a mãe, esposa e os dois filhos de Mocímboa da Praia, um dos distritos mais afetados pelos ataques.  

Cultivo  

Selemane encontrou abrigo no reassentamento de Marrupa, no distrito de Metuge, sendo forçado a abandonar o cultivo repleto de plantações. Em Marrupa, a comunidade cedeu a ele terras para a agricultura.  

Ele e a família acreditam em melhores dias, após a colheita das sementes que recebeu da FAO, no âmbito do programa de emergência. Segundo a agência da ONU, mais de meio milhão de pessoas tiveram de deixar para trás quase todas as suas posses, incluindo bens agrícolas e pecuários. 

Makupe Bahetwe, 41 anos é líder comunitário no bairro de Ntokota, em Metuge, e está hospedando deslocados de áreas afetadas pelo conflito. Ele conta que a comunidade é solidária com os deslocados que são seres humanos e precisam de terra para o cultivo de sobrevivência. 


Prioridade 

A FAO já trabalha com as autoridades para monitorar e responder as necessidades das comunidades deslocadas e anfitriãs. Estima-se que o conflito resultou numa queda de 30 % da produção em comparação com a campanha agrícola anterior. 

Para o diretor provincial das atividades econômicas, Ageu Mário, os conflitos têm um impacto negativo no desempenho de vários setores da economia e na agricultura em particular, onde 86 % da população depende desta atividade. Ele disse ainda que o apoio ao restabelecimento dos meios de subsistência continua a ser uma prioridade.  

A FAO esta a implementar projetos em nove distritos que acolhem famílias deslocadas, seis em Cabo Delgado: Ancuabe, Chiure, Namuno, Mecufi, Metuge e Montepuez. E três na Província de Nampula: Meconta, Erati e Monapo para ajudar a restaurar os meios de subsistência da população afetada.  

Além de apoiar famílias diretamente afetadas pela violência, a agência está ajudar as famílias que hospedam pessoas deslocadas para aliviar a pressão sobre seus recursos e abastecimento de alimentos.  

 

Para ler mais acesse, www: professortacianomedrado.com

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião do Blog do professor Taciano Medrado. É vetada a postagem de conteúdos que violem a lei e/ ou direitos de terceiros. Comentários postados que não respeitem os critérios podem ser removidos sem prévia notificação.

Compartilhe:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LEITORES ONLINE

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Postagens mais visitadas

Marcadores

Seguidores

Arquivo do blog

TM TV

PARCEIROS