ARTIGO: A importância do fertilizante no futuro da agricultura

 

Foto ilustração - Banco de imagens livres
 
Por; Taciano Gustavo Medrado Sobrinho
Engenheiro Agrônomo e Professor , Especialista em Irrigação e Drenagem e Fertilidade dos solos

Você sabe qual a importância do uso de fertilizante na agricultura? Quando falamos em aumentar a produtividade das culturas, sabemos que muitos elementos estão envolvidos, dentre eles o uso de fertilizantes. Mas poucas pessoas sabem qual a importância de utilizar esse insumo agrícola e qual a sua função no processo produtivo.

Neste conteúdo, você vai aprender um pouco mais sobre o que é, qual a importância, como é classificado e para que serve o fertilizante. Além disso, falaremos sobre o papel do Engenheiro Agrônomo nesse setor. 


Para que serve o fertilizante e como ele é utilizado na agricultura?

Afinal, para que serve o fertilizante? A agricultura é uma atividade essencial para a produção de alimentos no mundo. Em 1786, Thomas Malthus verificou que o crescimento populacional era maior que o aumento da produção agrícola ao longo do tempo, o que viria a gerar escassez de alimentos

Nos últimos anos, a população mundial cresceu significativamente, trazendo, com isso, a necessidade de expandir a produção de alimentos para atender a demanda de pessoas. Portanto, o desafio de produzir alimentos, fibras e energia para sustentar a demanda populacional é cada vez maior.

Diante desse cenário, o Brasil busca se posicionar de forma estratégica, otimizando a exploração das terras e fazendo uso de tecnologias cada vez mais desenvolvidas para garantir o aumento da produtividade nas lavouras. É aí que entra a necessidade do fertilizante na agricultura.

Os fertilizantes estão inseridos como insumos essenciais utilizados no processo produtivo, pois verifica-se que o aumento na produtividade está diretamente relacionado ao seu uso nas lavouras. E, atualmente, o Brasil é considerado um dos maiores consumidores mundiais de fertilizantes. 

Sabe-se que as plantas necessitam de pelo menos 17 elementos para sobreviver, uns em maior quantidade, e outros em menor. Esses elementos são separados em “macronutrientes” e “micronutrientes”.

 

Os macronutrientes mais conhecidos são:

  • nitrogênio;
  • fósforo;
  • potássio;
  • e magnésio.

Os micronutrientes são:

  • ferro;
  • boro;
  • zinco;
  • e diversos outros 

O solo é capaz de disponibilizar uma certa quantidade de nutrientes para as plantas, mas nem sempre o suficiente para atender a demanda de alta produtividade, sendo, então, necessária a utilização de fertilizantes. 

Os fertilizantes são usados com a função de fornecer esses nutrientes essenciais para o desenvolvimento, sendo capazes de suprir a deficiência do solo e a demanda das plantas.

 

Conceito e tipos de fertilizantes de acordo com a Legislação

De acordo com o Decreto Nº 4.954 de Janeiro de 2004o fertilizante é uma substância mineral ou orgânica, natural ou sintética, fornecedora de um ou mais nutrientes de plantas. Ou seja, são compostos que têm por objetivo suprir a deficiência de nutrientes do solo, visando aumentar a produtividade das culturas

Os fertilizantes diferem-se de acordo com a matéria-prima de produção, sendo categorizados como fertilizantes minerais ou orgânicos. Mas, além dessas, há outras subdivisões dentro de cada categoria:

 

Fertilizante mineral

Produto de natureza mineral, natural ou sintética, obtido através de processo físico, químico ou físico-químico, fornecedor de um ou mais nutrientes de plantas..

 

O fertilizante mineral é dividido em:

 

  • simples: produto formado por um composto químico, contendo um ou mais nutrientes de plantas;
  • misto: produto resultante da mistura física de dois ou mais fertilizantes minerais;
  • complexo: formado por dois ou mais compostos químicos, resultante da reação química de seus componentes, contendo dois ou mais nutrientes de plantas.

Fertilizante orgânico

Produto de natureza orgânica, obtido por processo físico, químico, físico-químico ou bioquímico, natural ou controlado, a partir de matérias-primas de origem industrial, urbana ou rural, vegetal ou animal, enriquecido ou não de nutrientes minerais

 

Os fertilizantes orgânicos são divididos em:

simples: produto natural de origem vegetal ou animal, contendo um ou mais nutrientes de planta

misto: produto de natureza orgânica, resultante da mistura de dois ou mais fertilizantes orgânicos simples, contendo um ou mais nutrientes de planta

composto: produto obtido por processo físico, químico, físico-químico ou bioquímico, natural ou controlado, a partir de matéria-prima de origem industrial, urbana ou rural, vegetal ou animal, isoladas ou misturadas, podendo ser enriquecido de nutrientes minerais, princípio ativo ou agente capaz de melhorar suas características físicas, químicas ou biológicas.

 

Fertilizante organomineral

Produto resultante da mistura física ou combinação de fertilizantes minerais e orgânicos

Os fertilizantes minerais são extraídos de minas e rochas, sendo que os principais elementos encontrados nesses produtos são o famoso N-P-K – Nitrogênio, Fósforo e Potássio – macronutrientes primários, que são essenciais para o desenvolvimento das plantas.

Já os fertilizantes orgânicos são obtidos através de resíduos de animais ou vegetais, capazes de promover o desenvolvimento da flora, ou seja, dos microrganismos, melhorando as condições físicas, químicas e biológicas do solo.

 

A importância do fertilizante no futuro da agricultura

Como foi mencionado inicialmente, diante do elevado crescimento populacional e, consequentemente, da maior demanda por alimentos, faz-se obrigatório a implantação de uma produção mais sustentável, buscando garantir a segurança alimentar e a conservação do meio ambiente. Para isso, os agricultores precisam encontrar meios de produzir mais em menor área.

Se pensarmos em uma agricultura sustentável, devemos considerar a reposição dos nutrientes no solo que foram removidos pelas culturas. Para isso, os fertilizantes são os produtos certos para o fornecimento desses nutrientes.

Essa reposição deve ser realizada de maneira criteriosa e responsável, aplicando corretamente a dose necessária de acordo com os dados fornecidos na análise de solo, em época do ano e local correto. Isso porque as plantas que recebem os nutrientes na quantidade certa apresentam maior crescimento e sistema radicular mais vigoroso

Além do melhor aproveitamento dos nutrientes do solo, os fertilizantes diminuem a suscetibilidade contra o ataque de pragas e doenças e auxiliam as plantas no aproveitamento de água e luz, incrementando a capacidade fotossintética e a produção de massa verde.

Assim, fica evidente que os fertilizantes oferecem a possibilidade de produzir mais, utilizando a mesma quantidade de área, por meio da rápida resposta das plantas. E por esse motivo, são utilizados em larga escala para suprir as deficiências nutricionais das plantas, garantindo o aumento da produção por área, contribuindo com a redução dos efeitos danosos ao meio ambiente e, consequentemente, melhorando o bem-estar da população e a qualidade dos alimentos.

E qual a diferença entre fertilizante e adubo? 

Muitos acham que adubo e fertilizante são a mesma coisa, sendo essas palavras apenas sinônimos para uma substância comum. Mas isso não é verdade! 

O adubo é feito de material orgânico, logo, possui substâncias que são encontradas na natureza. Pelo fato de não conter todos os nutrientes necessários para um solo pobre, seu tempo de ação é mais demorado. O adubo é usado desde a antiguidade, quando os agricultores perceberam os benefícios de elementos orgânicos decompostos para a nutrição e enriquecimento do solo

Já o fertilizante, por sua vez, é feito de materiais sintéticos produzidos em laboratório. Esses diferentes produtos químicos agem no solos e são indicados, principalmente, quando o solo afetado está muito pobre em nutrientes, pois sua ação é imediata.

É importante ressaltar que, apesar de ser produzido artificialmente, o fertilizante é benéfico para as plantas e não apresenta nenhum risco para a nossa saúde.

Qual o papel do Engenheiro Agrônomo nesse setor?

O Engenheiro Agrônomo é um dos principais responsáveis por garantir a produção de alimentos. Diante do exposto, é seu papel acompanhar, auxiliar e transmitir todo seu conhecimento aos produtores rurais, bem como cuidar das suas plantações e trabalhar cada vez mais a favor da produção sustentável, para que seja possível atender a demanda mundial por alimentos sem agredir o meio ambiente, gerando maior qualidade de vida e garantindo a segurança e a qualidade alimentar.

É importante lembrar que, antes de qualquer aplicação de fertilizantes no solo, o Engenheiro Agrônomo deve realizar ou recomendar uma análise de solo, para então interpretar os resultados e fazer a indicação correta da quantidade e do tipo de fertilizante que será utilizado para suprir a demanda da cultura.

 

Fonte:  As informações desse artigo foram extraídas da revista Infope cuja autoria é de Karina Rosalen


Para ler outras matérias  acesse, www: professortacianomedrado.co

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião do Blog do professor Taciano Medrado. É vetada a postagem de conteúdos que violem a lei e/ ou direitos de terceiros. Comentários postados que não respeitem os critérios podem ser removidos sem prévia notificação.

 

Compartilhe:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LEITORES ONLINE

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Postagens mais visitadas

Marcadores

Seguidores

Arquivo do blog

TM TV

PARCEIROS