RECEIO DA JUSTIÇA: YouTube decide remover vídeos com alegações falsas de fraude na eleição de 2018

O YouTube anunciou que vai começar a remover todos os vídeos que contenham alegações falsas de fraudes, erros ou problemas técnicos na eleição de 2018, inclusive de forma retroativa, atingindo os que já estão publicados na plataforma. As informações são de Patrícia Campos Mello | Folhapress.

A atualização nas políticas eleitorais do YouTube foi anunciada nesta terça-feira (22), na esteira de diversas críticas à falta de ações da plataforma no combate à desinformação eleitoral.

O presidente Jair Bolsonaro e seus aliados protagonizam inúmeros vídeos com afirmações não comprovadas de que houve fraudes eleitorais e que a urna eletrônica foi adulterada em 2018 -todo esse conteúdo é passível de remoção.

Antes, a proibição de conteúdo com afirmações falsas de fraude generalizada após resultados eleitorais finais serem oficialmente certificados valia apenas para eleições presidenciais passadas dos EUA e as federais alemãs de 2021. Agora, as eleições brasileiras de 2018 passam a ser incluídas.

O YouTube também atualizou a política que proíbe conteúdo que possa levar à supressão de votos.

Anteriormente, as normas eram muito focadas nos Estados Unidos.

Vedavam vídeos alegando que a "filiação do eleitor a um partido político ficava visível em um envelope de votação pelo correio" (não existe voto pelo correio no Brasil) e "alegações incorretas de que o voto de pessoas sem cidadania determinou o resultado das eleições passadas" (são frequentes nos EUA boatos de imigrantes indocumentados votando).

Agora, a plataforma incluiu proibição referente especificamente ao Brasil -"alegar incorretamente que as urnas eletrônicas de votação brasileiras foram invadidas por hackers no passado para mudar o voto de pessoas."

A partir desta terça-feira (22), o YouTube começará a analisar os vídeos que abordem o tema da suposta fraude eleitoral em 2018 usando inteligência artificial e moderação humana.

A plataforma não detalhou se terá pessoal adicional ou mais investimento em inteligência artificial para fazer essa moderação dos vídeos.

Segundo a empresa, vídeos informativos ou noticiosos, que debatem a vulnerabilidade das urnas fornecendo contexto, não serão derrubados.

No entanto vídeos que não forneçam contexto e afirmem falsamente que houve adulteração na urna serão eliminados, mesmo que estejam em canais de veículos de notícias.

Além disso, os usuários que fizerem buscas de vídeos relacionados à eleição ou urnas eletrônicas verão um painel de informações na parte superior dos resultados da pesquisa, ou abaixo dos vídeos relacionados ao voto eletrônico, com um link para informações oficiais do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Já existem "painéis de contexto" semelhantes para a Covid-19, por exemplo.

Bolsonaro vem afirmando desde o início de seu mandato que houve falhas nas urnas eletrônicas em 2018, e que ele, na realidade, teria vencido o pleito no primeiro turno.

No final de julho de 2021, o presidente realizou uma live nas redes sociais para apresentar o que ele chamava de provas das suas alegações, mas citou apenas boatos que circulam há anos na internet e que já foram desmentidos.

O TSE abriu inquérito administrativo para apurar a conduta de Bolsonaro, que, sem apresentar provas, afirma que o sistema eleitoral é vulnerável a fraude.

As novas políticas de remoção só se aplicam a alegações de fraude na eleição de 2018 e não a afirmações de que o pleito de 2022 será fraudado. Segundo a plataforma, só se pode adotar a política de remoção uma vez que haja um resultado oficial, certificado pelas autoridades competentes.

Nos Estados Unidos, o YouTube foi criticado por ter demorado demais para agir em relação aos vídeos espalhando desinformação sobre a eleição presidencial americana de 2020.

Só em 12 de dezembro de 2020, mais de um mês após o pleito, o YouTube anunciou que passaria a remover vídeos com alegações de que fraude generalizada havia influenciado a eleição.

Na mesma data, a plataforma informou que havia banido mais de 8.000 canais desde setembro de 2020.

Em 6 de janeiro de 2021, apoiadores do então presidente Donald Trump invadiram o Capitólio para impedir a certificação do resultado eleitoral, que diziam ter sido fraudado. A invasão deixou cinco mortos. Os agressores se organizaram usando as redes sociais.

No Brasil, o entendimento da plataforma é que o processo de certificação de resultado eleitoral pelo TSE é centralizado e muito mais rápido. E, assim que houver resultado certificado, a plataforma poderá anunciar a remoção de conteúdo alegando falsamente que houve fraude em 2022.

Também há o entendimento que, ao longo da campanha eleitoral, outros conteúdos desinformativos que atentem contra a integridade cívica podem ser incluídos na política de remoções.

Os usuários não sofrerão penalidades por vídeos que já estavam publicados. Mas quem postar vídeos com o teor proibido a partir de agora, com um período de aprendizagem de 1 mês, passará a sofrer as sanções da plataforma ('strikes'). Quem receber três strikes num período de 90 dias terá o canal excluído.

Para ler mais acesse, www: professortacianomedrado.com  / Siga o blog do professorTM/EJ  no Facebook, e no Instagram. Ajude a aumentar a nossa comunidade.

AVISO: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião do Blog do professor Taciano Medrado. Qualquer reclamação ou reparação é de inteira responsabilidade do comentador. É vetada a postagem de conteúdos que violem a lei e/ ou direitos de terceiros. Comentários postados que não respeitem os critérios podem ser removidos sem prévia notificação.

Compartilhe:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LEITORES ONLINE

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Postagens mais visitadas

Marcadores

Seguidores

Arquivo do blog

TM TV

PARCEIROS